A abordagem aos dependentes químicos que circulam pela região da Cracolândia na capital paulista, feita por voluntários da Missão Belém, uma entidade que tem convênio com o governo estadual, vai priorizar o convencimento do usuário de drogas. Segundo Eliezer Dias, coordenador da Missão Belém, os dependentes atendidos só serão levados ao Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod) para possível internação involuntária, quando corresponderem a casos muito graves.

Hoje pela manhã (21), os voluntários da entidade conseguiram convencer dez dependentes, entre eles uma adolescente de 16 anos, que precisou ser carregada. Eles estavam na Praça Júlio Prestes, região central da cidade. De acordo com o coordenador da Missão Belém, o número de pessoas levadas para a internação costuma ser maior, uma média de 20 por dia.

Para Eliezer, a presença da imprensa hoje e a falta de informações atrapalharam a ação de convencimento, que também é feita por agentes municipais de saúde. “Porque eles [dependentes] imaginam que as pessoas vão chegar com injeção e dar injeção neles. Que a polícia vai pegar. Eles estão esperando só o ataque. Eles [dependentes] falaram que vão revidar”, relata.