São Paulo – O ex-jogador Edson Cholbi do Nascimento, o Edinho, filho de Pelé, que está preso em São Paulo, terá seu sigilo bancário quebrado, informou o diretor do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), Ivaney Cayres. O objetivo é identificar se Edinho teve movimentação financeira suspeita nos últimos meses. Ele é acusado de envolvimento com uma quadrilha de tráfico de drogas desmanchada por policiais do Denarc em Santos e São Paulo.

O ex-jogador ficaria mais uma noite na sede do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) em São Paulo.

O advogado de Edinho ingressou ontem, na 1.ª Vara Criminal da Praia Grande, município vizinho de Santos, com pedido de liberdade provisória, mas a Justiça ainda não decidiu. Naldinho, acusado de ser o chefe da quadrilha de traficantes, foi levado na noite de terça-feira para uma cadeia da capital. O advogado de Edinho tenta ainda obter validação a um diploma de curso superior que seu cliente teria obtido no exterior. Sem o diploma, Edinho ficaria em cela comum, junto com outros presos. Com o diploma, ficará em cela especial.

Com o argumento do Denarc de falta de policiais para transferir presos, o advogado do filho de Pelé ganha tempo para obter a decisão judicial antes que seu cliente seja levado para a cadeia.

?Todo o efetivo está empenhado nesta operação da apreensão de carros da quadrilha. Não posso deslocar pessoal para remoção de presos?, disse o delegado.

Na tarde de ontem, os policiais do Denarc apreenderam cerca de 50 carros de uma concessionária de Ronaldo Duarte de Freitas, o Naldinho, tido como líder da quadrilha. Segundo a polícia, também foram apreendidos documentos e computadores na concessionária de Naldinho.

Hoje, uma operação parecida deve ser feita na Baixada Santista, para a apreensão de carros e motos em outras duas lojas de Naldinho. Ao todo, segundo o delegado Cayres, serão cerca de 200 carros e todos devem passar por uma perícia.

Apenas consumidor

Apesar de ter dito em depoimento que é apenas consumidor de maconha, o que pela lei brasileira abranda a pena, Edinho ainda não convenceu o delegado Ivaney Cayres sobre sua inocência na acusação de associação ao tráfico de drogas. A polícia afirma ter gravações das escutas telefônicas que mostram Edinho conversando com integrantes da quadrilha de Naldinho. Nas conversas sobre aplicações financeiras, o ex-goleiro do Santos usaria o nome de Pelé.

?Não estamos prendendo inocentes. Edinho falava com outros envolvidos da quadrilha sobre aplicação de dinheiro e usava o nome do pai. As gravações mostram negócios entre eles. São oito meses de gravações, temos muitas informações?, disse Cayres.

Numa das escutas, segundo a polícia, Edinho teria dito a um dos criminosos: ?Você entra com o dinheiro e eu entro com o nome do meu pai?. Edinho disse em depoimento que não se lembra das conversas porque é usuário e estaria sob efeito de drogas.