A Brasil Telecom (BRT), operadora de telefonia fixa das regiões Sul, Centro-Oeste e parte do Norte, começa a oferecer em setembro o serviço de telefonia celular e vai disputar um mercado hoje dominado pela Vivo, do grupo Telefônica, pela TIM, da Telecom Italia, e pela Claro, da Telmex. A empresa só não irá competir com a Oi, ligada à Telemar pois não atuará na mesma área. O presidente da Brasil Telecom GSM, Ricardo Sacramento, previu que até dezembro a empresa deverá ter 400 mil usuários.

A empresa trabalha com a possibilidade de, a partir do próximo ano, oferecer aos clientes um aparelho telefônico “convergente”, com o qual o cliente poderá ter o mesmo número de telefone fixo e móvel. A BRT vem discutindo essa convergência com outras empresas mundiais do setor, como a British Telecom. Com isso, a empresa quer atingir seus 10 milhões de clientes da telefonia fixa.

A cobertura celular da BRT GSM alcançará, até o fim do ano, 600 localidades e as principais rodovias da sua área de atuação. Com essa estrutura, a operadora pretende ter, até o fim do ano, a maior cobertura do País usando tecnologia GSM. A novidade tecnológica será a utilização de um único cartão com créditos, que poderão ser usados tanto no telefone celular pré-pago quanto no telefone fixo e em orelhões.

Pelo sistema, o cliente compra o cartão e pode carregar os créditos no celular e se quiser utilizá-los no telefone fixo, deverá discar um número 0800 e, em seguida, a senha que está no cartão. Segundo Sacramento, a maioria das pessoas que usam celular pré-pago recebe a ligação no celular e compra o cartão de orelhão para retornar o telefonema. “Com o cartão único, vamos acertar em cheio as classes C e D”, disse.

Segundo Sacramento, a flexibilidade do uso do cartão faz parte de uma estratégia da empresa de convergências de serviços. “Queremos acabar coma idéia de que ligar de fixo para móvel é caro”, disse Sacramento. Para conseguir isso, a BRT GSM dará 45% de desconto na tarifa de uso de sua rede móvel. Há o compromisso da empresa de conceder esse desconto para outras operadoras na utilização da sua rede móvel, disse ele. “Conceder 45% de desconto é mudar a cara do setor”, observou Sacramento.