Brasília

– A educação mundial vem se desenvolvendo a cada ano, mas o Brasil não está acompanhando essa evolução. Em pesquisa feita em 32 países com alunos de 15 anos, pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o País ficou em último lugar em qualidade de ensino. Em outro estudo sobre a capacidade de leitura dos estudantes de 41 países, patrocinado pela Unesco, o Brasil ficou na 37.ª posição, à frente apenas da Macedônia, Albânia, Indonésia e Peru. Os dados foram divulgados ontem pelo presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Gastão Vieira (PMDB-MA), e estão no relatório do grupo de trabalho que discute o tema “Alfabetização Infantil: os novos caminhos”. O documento inclui informações do Ministério da Educação, no qual 60% dos alunos da 4.ª série do ensino fundamental não conseguem entender as notícias publicadas em um jornal, e 64% das crianças das escolas públicas no 1.º ano do ensino fundamental não sabem ler nem escrever. Apesar de considerar muito bom o programa federal de erradicação do analfabetismo entre jovens e adultos, o deputado acha que o governo precisa dar mais atenção às crianças que não aprenderam a ler e a escrever: “Porque senão elas vão se transformar em futuros adultos analfabetos”. Para Gastão, a situação da educação no País é catastrófica.