Há 15 anos, a economia brasileira não consegue acompanhar o ritmo de crescimento de países como China, Rússia, Índia, África do Sul e México. É o que mostra um levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com as 35 maiores economias do mundo. O trabalho mostra que, desde o início dos anos 90, o crescimento médio anual brasileiro foi de 2,9%.

A taxa é pouco superior à média dos países ricos, que tradicionalmente crescem a um porcentual menor que os emergentes. Entre 1992 e 2005, a expansão média do Produto Interno Bruto (PIB) das economias desenvolvidas foi de 2,6%.

Enquanto Coréia e Irlanda apresentaram aumentos de mais de 5% por ano, em média, em suas economias, outras, como Alemanha, França, Itália e Japão, cresceram menos de 2%. O Brasil ficou atrás de todos os emergentes avaliados pela OCDE. A China teve crescimento médio de 9,7%, seguida pela Índia, com 6,5%, Rússia e Turquia, com 3,8%, México, com 3,1% e África do Sul, com 3%.

O País chegou a ter anos de crescimento elevado, como 1994, quando registrou alta de 5,9%. Mas, em média, teve um desempenho nos últimos 15 anos inferior ao de Reino Unido, Espanha, Noruega Grécia e Estados Unidos, com 3,2%.