Rio de Janeiro – A presidente da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, Maria da Graça Foster, afirma que a intenção dos novos controladores do grupo Ipiranga é "manter, se possível, a totalidade dos empregados da empresa?. O grupo Ipiranga foi adquirido no último dia 19 de março por um consórcio integrado pela Petrobrás, grupo Ultra e Braskem.

Ela soube nesta sexta-feira (13) à tarde das demissões na Ipiranga e disse que o presidente do grupo Ultra, Pedro  Wongtschowski, informou-a de que essas demissões se referiam ao pessoal executivo da Ipiranga "e que, definitivamente, não se tratava de demissões em massa".

A presidente da BR lembrou que a estatal tem tido um relacionamento muito próximo ao sindicato da categoria, que é o Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo (Sitramico), que tem representações em vários estados brasileiros. Ela revelou ter uma agenda prevista para um encontro, ainda este mês, entre a BR, o Grupo Ultra e os sindicalistas, "onde nós vamos poder conversar um pouco mais sobre o assunto".

"Eu fiquei preocupada quando soube das demissões, mas depois entendi que não era uma ação que tratasse de um processo de demissão que começaria agora e não se saberia a extensão dele", externou. Maria da Graça Foster esclareceu que foi o próprio Sitramico que solicitou sua presença na reunião com o grupo Ultra para tratar da manutenção de empregos na Ipiranga.

Ela assegurou que a proposta da Petrobras, através da BR, que é quem cuida dos ativos da distribuição, foi desde o início manter empregos. "A proposta é de que a gente tenha o máximo, se possível, total aproveitamento das forças de trabalho das nossas atividades. Esses são os nossos planos realmente", afirmou.

"Como eu considero que a ansiedade do sindicato é justa, eu mandei uma carta para eles nesta sexta-feira, dando quatro datas, no Rio de Janeiro ou em São Paulo, porque as agendas são apertadas?, explicou.

Maria da Graça Foster deixou clara sua preocupação em relação à questão desemprego. "O assunto exige a nossa atenção, a nossa dedicação e até mesmo a nossa amizade junto a esses trabalhadores", concluiu. As datas sugeridas para o encontro entre trabalhadores e patrões são os dias  17, 18, 23 e 26 deste mês.