A agência de notícias Interfax divulgou que o ex-presidente Boris Yeltsin morreu de ataque cardíaco. Ele tinha 76 anos. O porta-voz do Kremlin, Alexander Smirnov, confirmou a morte de Yeltsin, mas não deu detalhes imediatos sobre a causa da morte.

Yeltsin arquitetou o colapso final da União Soviética em 1991 e tornou-se o primeiro presidente da pós-comunista Rússia. Ele fez com que a ex-república soviética abraçasse a democracia e a economia de mercado. Inicialmente admirado por seu desafio ao sistema de partido único, muitos russos vão associá-lo ao forte declínio do poderio da nação.

Ele era uma figura contraditória, com alta popularidade na era comunista graças a promessas de combater a corrupção – mas em seus nove anos como o primeiro presidente livremente eleito da Rússia se mostrou incapaz, ou sem intenção, de evitar o saque da indústria estatal durante a privatização. Ele também liderou a Rússia numa humilhante guerra contra separatistas na Chechênia que terminou com a retirada russa.

Problemas cardíacos

Yeltsin, que sofreu diversos problemas cardíacos durante sua presidência, renunciou na véspera do ano-novo de 1999, vários meses antes do fim de seu mandato. Seu primeiro-ministro, Vladimir Putin, assumiu como presidente em exercício e foi eleito livremente para o cargo meses depois.