O Bolsa Família ultrapassou a meta dos três primeiros meses de ampliação do programa e, agora, antecipa a meta prevista para maio. Neste mês, 3,9 milhões de famílias serão atendidas pelo governo federal. Destas, 153.510 famílias foram incluídas no programa em março e abril, e outras 201.841 participam da expansão em maio. As regiões metropolitanas com maior número de famílias incorporadas são Salvador (38.517), Fortaleza (50.060) e São Paulo (63.863).

O ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, comemorou os números do programa durante a posse do novo Conselho Nacional De Segurança Alimentar e Combate à Fome (Consea), realizada ontem . O ministro ainda anunciou que os comitês gestores, criados desde o início do governo, evoluíram e agora vão acompanhar as ações do Bolsa Família. “Estamos acertando a participação dos comitês gestores, agora chamados comitês do Fome Zero, para um acompanhamento, monitoramento e fiscalização. O objetivo é evitar distorções nos cadastros, numa ação integrada de estado e sociedade”, garantiu.

A expansão faz parte das 901 mil famílias que serão adicionadas até o final de julho, quando o Bolsa Família atenderá 4,5 milhões, praticamente metade das famílias em situação de pobreza. A intenção é atingir 50% das famílias em situação de pobreza – com renda per capita mensal inferior a R$ 100 – nas capitais e regiões metropolitanas. Os municípios de Aracaju (SE) e Teresina (PI) já alcançaram a porcentagem, com 9.210 famílias e 4.997 famílias, respectivamente. A região metropolitana de Fortaleza (CE) também ultrapassou a previsão de 47.642 famílias.

Nos próximos meses, o número de beneficiários crescerá especialmente por meio de parcerias entre o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, governos estaduais e municipais. A proposta do governo federal permite que estados e municípios complementem o benefício do Bolsa Família, aumentando o valor repassado a cada família.