Após chocar-se com o jato Legacy, o Boeing 737-800 da Gol teria se desintegrado no ar antes de atingir o solo. Oficiais da Aeronáutica chegaram a essa conclusão depois de analisarem as primeiras imagens do local do acidente – uma região de selva, próximo da reserva indígena do Alto Xingu. Como não há clareiras na mata, tudo leva a crer que o aparelho foi perdendo pedaços durante a queda.

"Por causa da avaria no dorso do Boeing, o que estava solto dentro do avião foi arremessado para fora", diz uma fonte da Aeronáutica. Os peritos tentarão agora reconstruir a dinâmica do acidente. Só depois de analisarem os destroços do Boeing, técnicos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) terão condições de dizer qual o ângulo de colisão. A suspeita é que a asa do Legacy tenha cortado o Boeing como uma navalha. Sabe-se, por enquanto, que não houve explosão quando o avião bateu nas árvores.

As primeiras imagens do local onde foram encontrados os destroços do avião mostram que o Boeing não causou grandes danos à floresta, como se as partes do aparelho tivessem sido engolidas pela mata. Isso reforça a tese de que o avião da Gol se despedaçou.