O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está desenvolvendo algumas alternativas para fortalecer o setor eletro-eletrônico, cujo déficit atingiu cerca de US$ 3 bilhões no ano passado, dos quais US$ 1,2 bilhão se referiram a componentes eletrônicos que o Brasil não produz, os chamados circuitos integrados. A informação foi dada pelo chefe de Departamento da Indústria Eletro-Eletrônica do banco, Júlio Cezar Maciel Raimundo, ao participar da III Conferência Internacional Rio Telecom, na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

Entre as alternativas em análise, ele citou a atração de um fabricante de circuitos integrados para o Brasil, o reestudo do programa de apoio às operadoras e aos fabricantes de equipamentos de telecomunicações e a revisão da política de software, com base em estudos recentes do Ministério da Ciência e Tecnologia. Além disso, ele informou que o BNDES participa do grupo de trabalho da TV Digital e está revendo sua participação nos vários fundos setoriais de tecnologia e telecomunicações. Segundo Maciel, o objetivo do banco é permitir que em algum tempo o segmento apresente como resultado prático a redução da vulnerabilidade em termos de balança comercial