O ex-chefe da Polícia Civil Álvaro Lins era o candidato a deputado estadual do bicheiro Rogério Andrade. Nas gravações telefônicas feitas durante a Operação Gladiador, um dos contadores da quadrilha César Augusto Burgos Medeiros transmite, às vésperas das eleições, ordens para que os integrantes do bando votem em Lins. "Agora é pra votar no Álvaro Lins. Diz que é pra descartar aquele anteriormente (outro candidato), e avisar o pessoal pra todo mundo votar no Álvaro"

Eleito com mais de 100 mil votos, Álvaro Lins liga no dia 3 de outubro para Jorsan Machado de Oliveira, um dos indiciados pela Polícia Federal e membro da quadrilha, para agradecer a votação. "Estou ligando para agradecer aí a ajuda, a torcida, todo o trabalho de vocês. Continuamos juntos, vamos em frente que tem muito trabalho ainda.

Os integrantes da quadrilha comemoram no dia 1º a eleição de Lins. Os agentes federais transcrevem conversa entre um homem identificado como Cascalho e Medeiros. Cascalho diz que " com esse resultado, fica mais tranqüilo, pois terão um amigo que vai ampará-los". A Polícia Federal aponta Lins como o chefe dos policiais ligados à máfia, mas a Justiça não concedeu a prisão temporária. O Estado procurou o advogado de Lins, Sérgio Mazzilo mas ele disse que ainda não havia lido a denúncia e que falaria com a reportagem hoje ou amanhã