O ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, confirmou, há pouco, que o governo decidiu aumentar para R$ 300 o valor do salário mínimo, a partir de maio de 2005, e corrigir em 10% a tabela do Imposto de Renda. Segundo o ministro, o aumento significa um ganho de 9,3% acima da inflação. Ele disse que o valor de R$ 300 vai significar um impacto de R$ 2,4 bilhões no Orçamento. Quando questionado por que o governo não antecipou o reajuste para janeiro, Berzoini explicou que isso iria provocar um custo adicional de R$ 5,32 bilhões no orçamento.

Berzoini informou também que o governo vai criar uma comissão para discutir uma política permanente de recuperação do salário mínimo. De acordo com o ministro, o reajuste do mínimo deverá ser enviado como um projeto de lei ao Congresso Nacional.

O governo anunciou o novo valor do mínimo após encontro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com representantes das centrais sindicais que organizaram a Marcha por um Salário Mínimo Digno.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, deixou a reunião dizendo que o valor anunciado pelo governo é um avanço da marcha, mas ressaltou que as centrais sindicais vão pressionar o Congresso Nacional para que o aumento seja maior.