O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, acaba de enviar ofício ao procurador geral da República, Antonio Fernando Barros, pedindo a designação urgente de um membro do Ministério Público para acompanhar as investigações da Polícia Federal da quebra ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa.

O caseiro denunciou a participação do ministro da Fazenda Antonio Palocci, em encontros na mansão no Lago Sul, alugada por ex-assessores da chamada República de Ribeirão Preto". O objetivo do ministro é dar transparência e agilidade "para uma apuração isenta" do caso, segundo sua assessoria.