Líderes dos partidos da base aliada do governo entregaram hoje (9) à Mesa da Câmara, um pedido de criação da chamada "CPI da Compra de Votos", incumbida de investigar a denúncia sobre a troca de pagamento por votos favoráveis ao governo, incluindo também o governo Fernando Henrique Cardoso. Esta CPI foi proposta pelo PT e contou com o apoio da base. Além das denúncias atuais do deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), de que deputados do PP e PL estariam recebendo uma mesada de R$ 30 mil em troca de apoio ao governo, ela deverá também investigar denúncia de compra de votos a favor do projeto que permitiu a reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

"Por que é que se investiga a suposta compra de votos em um episódio e não investiga a denúncia passada de compra de votos na qual dois deputados renunciaram a seus mandatos e uma CPI foi abafada?", questionou o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), defendendo a criação desta CPI. "Estamos mostrando que não ficará nenhum tumor sem ser drenado", acrescentou.

"Não se trata de uma guerra contra o PSDB. Se trata da defesa de nossa coerência", argumentou ainda Chinaglia, ressaltando que espera o apoio também da oposição para esta CPI. O líder afirmou que, para evitar que esta CPI fique numa fila aguardando o período de sua instalação, os líderes da base vão apresentar um projeto de resolução para permitir que ela seja instalada logo. Esse projeto no entanto, precisará ser aprovado pelo plenário da Câmara.

Chinaglia criticou deputados de outros partidos, que estão recolhendo assinaturas para uma CPI mista para apurar o chamado "mensalão". "Se tem deputado que precisa se socorrer do Senado para investigar uma denúncia na Câmara, nós não nos encontramos entre esse grupo", afirmou, referindo-se indiretamente ao fato de PPS, PDT e PV estarem recolhendo assinaturas para a CPI mista do "mensalão".

Líderes da base informaram que o requerimento para criação da CPI da Câmara para investigar a compra de votos já tem entre 190 e 200 assinaturas, que serão ainda conferidas pela secretaria da Mesa da Casa. Pelo regimento, bastam 171 assinaturas de deputados para criação de uma CPI. Os líderes da base afirmaram, no entanto, que também vão assinar o pedido de CPI mista.

O líder do PSB na Câmara, Renato Casagrande (ES), disse que, mesmo havendo o pedido de uma CPI mista, é importante a Câmara ter seu próprio instrumento de investigação. "É fundamental que deixemos claro que a Câmara é capaz de fazer a investigação por si só", observou.