Rio (AE) – A reserva de cotas na segunda fase do fundo Papéis Índice Brasil Bovespa (PIBB) foi interrompida hoje (15) e será retomada a partir das 10h de amanhã para chamar atenção para os riscos do investimento. Durante o dia, os bancos coordenadores do lançamento, Itaú e Santander, pediram aos demais bancos que orientem seus clientes sobre o assunto. A idéia é de que um dia sem ofertas ajudaria a que as instituições repassassem o pedido a seus gerentes e funcionários nas agências.

O diretor-financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Kawall, disse que a instituição quer ressaltar pontos como o de que "a rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura". Ele lembrou que a imprensa tem ressaltado a alta rentabilidade que a primeira etapa do PIBB teve até agora.

Ele contou que o BNDES e os coordenadores têm recebido muitas dúvidas e perguntas de interessados. Uma das mais freqüentes é sobre o período em que o BNDES garante a recompra das cotas pelo mesmo preço que o investidor pagou ao entrar no fundo. Esse período é de dois meses a partir de um ano após a liquidação da oferta, prevista para 25 de outubro. "Se a liquidação não atrasar, o período de recompra vai de 26 de outubro de 2006 a 29 de dezembro de 2006", disse Kawall.

O investimento no PIBB pode ser feito não só por pessoas jurídicas e grandes investidores habituados com investimentos em ações, mas também por pessoas físicas dispostas a aplicar pelo menos R$ 300 em fundos ou cotas ou no mínimo R$ 1.000 por compra direta (sem taxas de administração).

O PIBB tem por referência as 50 ações de empresas mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Como as cotações desses papéis podem subir ou cair, as cotas do fundo também podem ganhar ou perder valor. Quem precisar do dinheiro investido em um momento de baixa pode ter prejuízo e sacar menos do que aplicou. "O acompanhamento do assunto pela imprensa não substitui a leitura dos prospectos", afirmou o diretor.

Há um site sobre o produto que é o www.pibb.com.br. Nesse site, há na parte "Fale Conosco" a possibilidade de mandar um e-mail para tirar dúvidas. Perguntas podem ser feitas também pelos telefones (011) 40044828, para capitais e regiões metropolitanas; e 0800 904828, para demais locais.

Segundo o diretor do BNDES, a interrupção da oferta foi feita espontaneamente pelo BNDES, Itaú e Santander, com a aprovação do órgão regulador.