Brasília – De acordo com a secretária nacional de Renda de Cidadania do Ministério do Desenvolvimento Social, Rosani Cunha, o Banco Mundial está buscando apoio do governo brasileiro para auxiliar em experiências de programas sociais pelo mundo. Esse, segundo ela, é um dos sentidos da visita do presidente do Banco Mundial (Bird), Paul Wolfowitz, ao Brasil.

"Com a implantação do Bolsa Família, temos recebido demandas de diversos países, principalmente dos de grande porte, que querem aprender um pouco da nossa experiência. A vinda do Banco Mundial tem um pouco desse interesse de solicitar apoio do governo brasileiro a outras experiências e apoio ao desenho do programa que estamos implantando", disse.

Aproximadamente 1.200 pessoas são beneficiadas pelo programa Bolsa Família no Varjão, comunidade carente do Distrito Federal, visitada hoje (19) por Wolfowitz. Ele conversou com mães de famílias que recebem a ajuda e disse que a missão do banco é ajudar países, como o Brasil, a terem um futuro melhor. "E ajudar as crianças do Brasil a terem um futuro melhor", acrescentou.

O Bird financia projetos de desenvolvimento voltados para a infra-estrutura, redução da pobreza e educação. Segundo a assessoria de comunicação do banco, o Brasil já recebeu mais de US$ 36 bilhões da organização. Atualmente, há 55 projetos em atividade e US$ 5,6 bilhões sendo executados. Em geral, são implementados pelos governos federal, estadual ou municipal, e exigem contrapartida financeira.

Wolfovitz já esteve nos estados do Ceará e do Pará. Teve audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e visitou beneficiados pelo Bolsa Família. Da capital federal, segue para São Paulo, onde visita uma usina de álcool em Ribeirão Preto e se encontra com empresários.