O Bahia foi punido nesta terça-feira (7) pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) com a perda de mando de campo por oito jogos, por causa do tumulto no jogo contra o Ipatinga, no dia 28 de outubro pelo octogonal final da Série C do Campeonato Brasileiro. Além disso, o clube foi multado em R$ 140 mil por não tomar providências para reprimir a desordem.

O jogo estava 2 a 0 para o Ipatinga quando a torcida começou a atirar objetos no gramado, quebrou o alambrado e invadiu o gramado, agredindo alguns jogadores. A partida foi interrompida aos 23 minutos do segundo tempo pelo árbitro sergipano Antônio Hora Filho.

A decisão do STJD confirmou a interdição da Fonte Nova anunciada na semana passada, que fez com que o Bahia enfrentasse o Vitória em Feira de Santana no último domingo – a entrada da torcida foi permitida porque não havia ainda a punição definitiva. Agora, os jogos serão com portões fechados.

Mesmo depois da punição, a Fonte Nova permanecerá fechada até que o Bahia prove que o estádio, que pertence ao governo do Estado, tem condições de jogo. A diretoria recorreu para tentar reduzir ou mesmo eliminar a punição, inspirada no exemplo do Grêmio.

O clube gaúcho foi punido com a perda de oito mandos depois que torcedores causaram transtornos no Beira-Rio, no clássico com o Internacional – ficaram famosas as cenas dos banheiros químicos sendo queimados. Mas a diretoria recorreu e conseguiu reduzir a pena para três mandos de campo cassados.

O Bahia faz mais três jogos em casa na fase final da Série C, a próxima delas no domingo, contra o Grêmio Barueri. Se a punição de oito jogos for mantida, as partidas restantes serão cumpridas no ano que vem, na Copa do Brasil ou no Brasileiro – com 7 pontos, o time é o penúltimo no octogonal final, a três pontos do Treze, o quarto colocado e último na zona de acesso à Série B.