Avaliar a qualidade das águas doces do país. Esse é o objetivo do aviador brasileiro Gérard Moss que, junto com a mulher Margi Moss, comanda o projeto Brasil das Águas. A expedição coleta amostras de água doce em mais de mil pontos do País. Ele pousou ontem, em Curitiba, no Aeroporto do Bacacheri. Até o final de 2004, serão 100.000 km de vôos pelo Brasil, a bordo de um hidroavião que realiza coletas d?água em um vôo rasante, sem a necessidade de pouso.

Desde outubro do ano passado até a véspera dessa campanha, Gérard e Margi, realizaram diversas palestras com crianças de várias regiões do Brasil, destacando sempre a importância da preservação e manutenção das águas doces para o desenvolvimento do homem. “Estamos contentes com o interesse das pessoas na qualidade das águas doces. Principalmente nas palestras com crianças, a atenção para o assunto é enorme”, diz Gérard.

Os dois já cumpriram 23% do trabalho de coletas nas três primeiras campanhas do projeto. A viagem prossegue rumo ao Sul, com destino à Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Logo depois, a expedição ainda deve percorrer os estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro, seguindo para o Nordeste, na Bacia do Rio São Francisco. A última parte da viagem é reservada para a região que engloba a floresta amazônica e o Rio Amazonas: Acre, Rondônia, Pará, Amapá, a cidade de Manaus e Roraima, “Além de ser um trabalho prazeroso, será de grande utilidade para as futuras gerações.

Se baseando nos resultados obtidos pelas análises e fotografias dos locais de amostragem, nós desenharemos um mapa da atual saúde das águas doces e identificaremos ambientes que nunca foram contaminados para que possam ser conservados”, explica o aviador.