Com a reestilização da gama Vectra, a versão “hatch” do modelo, a GT, teve a dianteira alinhada à identidade global da Chevrolet, com a grade frontal partida ao meio por uma barra na cor da carroceria.

A mudança atingiu também a versão GT-X, mais equipada e esportiva que a GT. Ambas ganharam à alcunha Remix, tentativa da GM de conquistar o público jovem entre os 25 e 39 anos e com boas condições econômicas.

Tivemos oportunidade de avaliar, para o Jornal do Automóvel, a versão GT-X, pintado na exclusiva cor Azul Arian, criada pela OPC, divisão esportiva da Opel (subsidiária alemã da General Motors). O visual do Vectra GT-X é um de seus maiores trunfos, e com a pintura azul, ele vira atração por onde passa (há outras opções de cores, algumas também marcantes). E pessoas, com alguma dose de ironia, se referiram ao carro como “Azulão”. De fato, é um “azulão cheguei”.

Visualmente, o Vectra GT-X é um pouco diferente do GT. Por fora, a diferença é a luz de cortesia sob os retrovisores, que se acende quando o motorista aciona as portas, facilitando a movimentação próxima ao veículo em locais escuros.

As rodas de liga-leve são de 17 polegadas, contra 16 polegadas no GT sem o “X”. De resto, foram mantidos itens de estilo, como os faróis escurecidos e as lanternas traseiras com acabamento fumê.

De fábrica, o “hatch” vem com aviso de cinto de segurança do motorista destravado; cintos dianteiros com pré-tensionador, retráteis e com regulagem de altura; freios com ABS (antitravamento) e EBD (distribuição eletrônica de frenagem), a disco sólido na traseira; piloto automático e sensor de chuva.

O modelo avaliado tinha transmissão automática de quatro velocidades, sem opção de troca sequencial, mas com modo esportivo (a tradicional tecla Sport).

Os bancos em couro são exclusividades dessa versão. Todos os conteúdos desejados num carro desse segmento estão presentes: ar-condicionado digital, trio elétrico, regulagens de posição de banco e volante etc. Os “airbags” frontais também são de série.

Internamente, o Vectra dois-volumes oferece bom espaço para quatro pessoas. A condução do Vectra GT-X não tem a esportividade sugerida pela sigla, mas é agradável e divertida.

A suspensão foi recalibrada e ficou mais firme. Tem boa estabilidade e é bom de curva. Os freios do Vectra são confiáveis, com o ABS trabalhando à menor possibilidade de escorregada.

Seu motor, o conhecido 2.0 FlexPower, de 8V, foi remixado e ganhou mais potência, atingindo 140 cavalos a 5.600 rpm quando abastecido com álcool (como a unidade que experimentamos).

Com gasolina, gera 133 cv. O torque chega a 19,7 kgfm a 2.600 rpm (álcool) e 18,9 kgfm a 2.600 rpm (gasolina). O Vectra GT-X Remix tem “design” interessante e charme de sobra, mas falta esportividade. (BN)

Ficha técnica

Motor: Dianteiro transversal
Construção: 4 cilindros em linha
Cabeçote: 8V
Cilindrada: 1998 (cm3)
Diâmetro: Curso (mm) 86/86
Tx. compr.: 11,3:1
Potência: 128 (A)/121 (G) a 5200 rpm
Torque: (mkgf) 19,6 (A)/18,3 (G)a 2400 rpm
Câmbio: Manual
Marchas: 5
Tração: Dianteira
Direção: Hidráulica
Suspensão: Dianteira/independente tipo McPherson/traseira: eixo de torção
Freios: (dianteiro/traseiro): disco ventilado / tambor
Pneus: 205/55 R16
Dimensões: Comprimento/entre-eixos (cm): 428/261
Altura: Largura (cm): 146/175
Peso: (kg): 1223
Peso/pot.: (kg/cv) (A/G): 9,5/10,1
Peso/tor.: (kg/mkgf) (A/G): 62,4/66,8
Diâmetro: De giro (m): 10,8
P-malas: (litros): 345