Está desembarcando no Brasil, o primeiro modelo da chinesa Chery No próximo fim de semana o consumidor brasileiro poderá conhecer o SUV chinês de perto em uma das 30 lojas distribuídas pelas principais capitais do País.

Produzido no Uruguai, embora seja um SUV chinês, o Tiggo tem algumas peculiaridades. O projeto, lançado em 2005 na China, conta com chassi desenhado pela British Lotus Company e motor Acteco 2.0 a gasolina, desenvolvido pela Chery. E os novos modelos, ganharam a assinatura Pininfarina. Ah, e ainda é Então, podemos concluir que o Tiggo é um chinês mestiço.

Trata-se de um carro que une personalidade marcante, versatilidade, ótimo desempenho e alma esportiva. Por fora, linhas robustas e design arrojado. Por dentro, um amplo espaço interno, ajustável às necessidades do cliente. Na condução, força e economia.

O Tiggo será oferecido no Brasil em apenas uma versão: completa. O único opcional é o banco de couro. Tem ampla grade na dianteira e vincos no capô. Há, ainda, na parte da frente, faróis de policarbonato e lanternas para neblina embutidas em quadrados, próximos às entradas de ar.

Na traseira, chamam a atenção, as lanternas verticais e a roda sobressalente externa – na porta do compartimento de cargas – protegida por uma capa na cor da carroceria.

O SUV chinês vem equipado com freios ABS com EBD nas quatro rodas, suspensão independente tipo McPherson, ar condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos em todos os vidros, rodas de liga leve, faróis de milha, “air bag” duplo, “rack”, som com CD player e entrada para MP3.

Para maior conforto do motorista e passageiros, o Tiggo vem, ainda, com banco do condutor com regulagem em seis posições, bancos dianteiros com aquecimento, assentos traseiros bipartidos, reclináveis e rebatíveis.

Diferente do que muitos esperavam, por conta da má fama da qualidade dos produtos chineses, o interior tem bom acabamento. Os estilistas escolheram a cor cinza e o motorista encontra os controles à mão. Seu porta-malas acomoda 520 litros, podendo chegar a 1.965 litros com os bancos rebatidos. Um bom espaço para a bagagem.

Sob o capô, um motor de 4 cilindros, 2.0 litros, 16V, a gasolina, que desenvolve 135 cavalos de potência máxima a 5.750 rpm e 18,2 mkgf de torque máximo entre 4.300 e 4.500 rpm. Em conjunto com esse motor trabalha a transmissão manual de cinco velocidades e a tração 4×2.

A expectativa de vendas é de 2.500 unidades até o final de 2009. E para conquistar clientes, o novo modelo, 100% chinês, chega com uma lista completa de equipamentos de série e preço competitivo: R$ 49.900 e garantia de 3 anos. (BN)