A Parati Crossover, produzida no Brasil e equipada com motor 1.0 Turbo, foi uma das atrações do programa “Ride And Drive”, promovido pela Garrett e pela Washington Automotive Press Association (WAPA), na pista da empresa, em Torrance, Califórnia, nos Estados Unidos.

Ao lado de outros automóveis colocados à disposição dos jornalistas, entre os quais BMW 530d, Ford Focus RS, Audi A8 TBD Quattro e Mercedes-Benz 320 CDI, foi considerada o melhor exemplo do processo de “downsizing” dos motores, um dos temas do programa.

O “downsizing” constitui-se na tendência da indústria automotiva de reduzir o tamanho dos motores e, com o uso da turboalimentação, conseguir performance igual ou superior a propulsores com maior capacidade cúbica. O motor da Parati Turbo, com 112 cv, é considerado o 1.0 mais potente do mundo. Tem praticamente 50% mais que o 1.0L 16 válvulas (com 76 cv na versão aspirada) e compara-se aos motores 1.8L e 2.0L de outros modelos da empresa. Em termos de torque, possui 155 Nm, quase o dobro que o 1.0L aspirado, com 84 Nm, em rotação muito mais baixa.

Além da tendência de redução do tamanho dos motores, o programa da Garrett e da WAPA serviu para mostrar outras vantagens da turboalimentação, como o maior desempenho, a economia de combustível e, principalmente, a grande redução da emissão de poluentes.

Rob Gilette, presidente e CEO da área de Sistemas de Transportes da Honeywell, grupo ao qual pertence a Garrett, explicou que o programa teve o objetivo de expor aos jornalistas especializados as tendências da turboalimentação. Ressaltou que existem grandes perspectivas para o aumento do uso da turboalimentação pela indústria automobilística nos próximos anos.

Segundo Gilette, todos os automóveis com motores diesel vendidos no mercado europeu são turboalimentados e representam 41% do volume total, enquanto que, dos movidos a gasolina (59% do total), apenas 6% são turbo, participação que deverá crescer muito nessa década.

Para Rob Gilette, esses números permitem a perspectiva de crescimento do recurso do turbo, principalmente entre os veículos a gasolina. O maior mercado em potencial é o norte-americano, onde 97% dos automóveis são a gasolina e apenas 1% é turboalimentado.