Nos últimos meses, o Novo Uno se tornou a “galinha dos ovos de ouro” da Fiat. O sucessor do veterano Uno Mille vendeu mais de 120 mil unidades no País desde maio do ano passado, quando foi lançado.

Esse bom momento coincide com a chegada de duas novidades: a carroceria de duas portas e a sugestiva (e apimentada) versão Sporting. Virou moda entre as montadoras criar versões de butique, com apelo esportivo ou fora-de-estrada, mas sem tal capacidade.

É o visual pelo visual. Mas com o Novo Uno Sporting foi diferente. Os engenheiros da Fiat criaram os adereços estéticos. Estão todos lá: defletor preto e ponteira dupla na traseira, faróis com máscara negra e lanternas escurecidas, saias laterais, adesivos pelos quatro lados e vistosas rodas de liga leve de aro 15.

Até os pára-lamas ganharam molduras negras. Por dentro, painel e portas também foram modificados. Mas o maior condimento do Novo Uno Sporting não é visível aos olhos. A montadora sabe que, de esportivo, o Novo Uno não tem nada.

Mas  a Fiat fez um belo “tuning” no “hatch” popular. Ese esforçou para oferecer alguma sensação de arrojo ao volante. Com a adição das rodas de aro 15, calçadas por pneus 185/60, a Fiat modificou a suspensão e reajustou o câmbio do Uno Sporting.

Comparada às outras versões, a de apelo esportivo avaliada pelo Jornal do Automóvel mostrou-se mais firme nas manobras e também oferece respostas um tanto mais diretas aos movimentos do volante.

Em movimento, o Novo Uno Sporting é mais equilibrado que o restante da gama. E o mais agradável foi que a Fiat encontrou um ajuste na medida para as ruas brasileiras, oferecendo condução segura.

O câmbio também se mostrou acertado. Embora os engates ainda careçam de maior precisão, o escalonamento faz o motor trabalhar dentro da faixa de giros do torque.

Com isso, as respostas ao pedal do acelerador ficam sensíveis, uma vez que o modelo está quase sempre pronto a acelerar. Outro aspecto que reforça a esportividade é o tempo mais curto das trocas de marchas. O motor 1.4 litro Flex do Uno Sporting enche rápido, interagindo mais com o conjunto mecânico. Mas no trânsito caótico das grandes cidades, no “anda e para” dos semáforos e congestionamentos, o carrinho popular roda como qualquer carro equipado com transmissão manual.

Na estrada, o Uno Sporting anda bem, tem boa estabilidade e seu motor proporciona ultrapassagens seguras, sem dar susto. Embora a versão avaliada fosse Sporting, não abusamos do acelerador, obedecendo as normas estabelecidas pelo Código de Trânsito em vigor.

De resto, o Novo Uno Sporting herdou basicamente as mesmas características das outras versões. O espaço interno agrada, com o teto alto e os bancos verticalizados. Mas o isolamento acústico ainda precisa melhorar. (BN).