Houve tempo em que a apresentadora de televisão Marília Gabriela fazia um comercial dizendo assim: “É tempo de Tempra”.

Tempra era então novo modelo de automóvel que surgia no Brasil. Agora podemos dizer: “É tempo de Tempo mesmo”, ou seja, da camioneta de caçamba marca Tempo, modelo Matador, de propriedade do antigomobilista curitibano João Olívio Ewert. Trata-se do Tempo Matador 1952, motor original de 1.100cc e 25HP (agora com motor VW 1.600cc), fabricado em Hamburgo/Alemanha por Vidal & Sohn Tempo-Werk GmBH.

Esta empresa fabricava caminhões, automóveis e camionetas de 3 e de 4 rodas. O motor e a tração são dianteiros, o câmbio é da marca ZF de 4 velocidades com alavanca no assoalho, sendo a primeira e a segunda marchas secas.

O sistema elétrico é de 6 volts, o para-brisa é bi-partido e na sua cabina cabem apenas 2 pessoas. No entanto, na sua caçamba podem ser colocados 1.000 quilos e a velocidade final é de apenas 75 quilometros/hora.

O tanque de combustível, de 40 litros, fica na parte dianteira, sendo dotado de torneira (tipo motocicleta), com as posições aberta, fechada e reserva. A lanterna pisca-pisca é do tipo “banana”, montada na ponta da caçamba, enquanto que as portas da cabina abrem para a frente (suicida).

Detalhe: o sistema da estrutura permite que o veículo trafegue somente com 3 rodas, se for necessário. A suspensão é do tipo feixe de lâminas transversais na frente e molas espirais atrás.

O avô de João Olívio – João Ewert – veio da Sibéria ao Brasil, em 1930 e trabalhou de 1948 a 1958 na empresa Arte Mobiliária, que ficava na rua Desembargador Motta, em Curitiba.

Quando saiu desta empresa, recebeu, como pagamento, 76.000 cruzeiros e mais a camioneta Tempo Matador, esta no valor de 20.000 cruzeiros. Em 1959 João Ewert fundou a sua Fábrica de Móveis Ibirama, no bairro do Portão, passando então a usar a camioneta para trabalhar, caçar, pescar, viajar, visitar parentes na Colônia alemã de Witmarsum.

Conta João Olívio que, seu avô chegou a instalar um trampolim na caçamba da camioneta, do qual  pulava nas águas do Lago Azul, recanto de lazer existente até hoje no bairro Umbará.

A foto que hoje estampamos mostra o Tempo Matador estacionado na areia da praia de Matinhos/PR, onde hoje está o Mercado do Peixe, servindo como parte das instalações de acampamento e com a caçamba cheia de panelas e tudo o mais necessário.

Esta foi a primeira viagem com o veículo à praia, na Páscoa de 1958. João, a esposa Catarina e os filhos Gerda e João Geraldo dormiam na própria caçamba do Tempo, na praia.

Em 1969 João Ewert vendeu o veículo, que foi recomprado em 1976 por seu filho João Geraldo, que deu-o de presente ao pai, uma vez que tinha sido o primeiro carro deste.

O Tempo ficou parado então por 20 anos, até que João Olívio, que nele brincava quando era criança, decidiu recupera-lo, trabalho que concluiu em 1999. Enfim, o Tempo Matador está na família há 50 anos, além do manual de fábrica, notas fiscais de peças compradas na Carbrasa (empresa representante da fábrica em Curitiba), além de comprovante de multa imposta pela Chefatura de Polícia em 1959 por João Ewert dirigir sem habilitação!