mini1010207.jpgSurgiu no final dos anos 50s um dos maiores carros do século XX, que revolucionou o conceito dos pequenos. Com tração dianteira e motor transversal, o Mini podia transportar até quatro pessoas em seus três metros de comprimento, ou seja, menor que o Fiat Mille.

O Mini foi reeditado pela BMW em 1999, com estética moderna e igualmente atraente. Mais que eficiente e revolucionário, o Mini era um charme. Encantava de ricos a pobres e, hoje, virou uma preciosidade para colecionadores.

No ano passado, o Mini recebeu novos retoques melhorando seu apelo emocional, aumentando a paixão dos consumidores europeus, que têm nele o carro mais desejado. Seu "design" continua irresistível. Por onde passa, tem todas as atenções. O passo dos caminhantes diminui, conversas mudam de assunto, e dizem que até as brigas entre casais cessam. O mundo pára.

mini2010207.jpgO novo Mini mantém a lenda com suas linhas agressivas. Internamente ganhou tecnologia, materiais de qualidade e bancos mais confortáveis. Seu console central está mais estreito e deu mais espaço e conforto para os passageiros dos bancos dianteiros. Como no primeiro Mini, o velocímetro continua no centro do painel, enorme e bonito. E todos os passageiros vêem que você está acelerando forte e alguém pode reclamar. A posição de dirigir é muito boa e o motorista se imagina num carro de corrida.

O volante, no tamanho certo, tem boa "pega".

Seu motor 1.6 litro, tem opções com e sem turbo. O modelo menor, de 16 válvulas e potência máxima de 120 cavalos, nem por isso, menos agradável. Como o peso é baixo, o carro fica agradável. O motor ronca alto e bonito. Mas as marchas são muito longas e desperdiçam motor, comentam os usuários. Ainda assim, faz de 0 a 100 km/h em 9,8 segundos e chega aos 190 km/h com ótima estabilidade.

Em qualquer circunstância, dá "gosto" entrar com ele numa curva mais forte, afirmam seus proprietários. Mas, para isso, é preciso ter experiência, pois ele é arisco como um kart. As rodas, de 16 polegadas, têm 195/55. Os freios o param em espaços curtos, sem qualquer desvio, colaborando para a empolgação do motorista.

mini3010207.jpgO Mini foi o principal protagonista de dois filmes. Em l969, corria por dentro dos dutos de águas pluviais em Roma, em Assalto à Italiana, com Michel Caine.

Os pequeninos Mini eram imbatíveis, vencendo todos os obstáculos, enquanto outros carros, maiores, dirigidos por policiais, perdiam a corrida. Em 2003 surgiu a refilmagem mostrando a nova versão do Mini. Ele andava pelos túneis do metrô de uma cidade norte-americana em Uma saída de mestre, com Mark Wahlberg, transportando ouro roubado. Por aqui, Mini só importado e por um preço absurdo de R$ 100 mil ou mais.