A Casa de Akashi não perde tempo. Uma semana após divulgar as imagens e detalhes técnicos da Ninja 300, ou ZX-3, como está sendo chamada lá fora, a Kawasaki apresenta agora a evolução da sua superesportiva de média cilindrada, a ZX-6R. A maior novidade é o retorno do motor de 636 cm3, que chegou a equipá-la em anos anteriores e agora retorna acompanhado de controle de tração e freios ABS.

No visual, a nova Ninja média mudou pouco, mas o suficiente para deixá-la mais agressiva. Os faróis, agora maiores, ganharam ângulos mais agudos, enquanto os piscas, ainda integrados na carenagem, foram redesenhados em forma trapezoidal. A carenagem também mudou. As saídas de ar ficaram maiores para oferecer uma dissipação maior do calor produzido pelo propulsor mais forte e os grafismos abriram mão do nome da moto para estampar a inscrição 636, frisando mais uma vez que a ZX-6R está mais potente.

A traseira também foi retocada. A lanterna branca da versão anterior deu lugar a uma menor, vermelha, e colocada mais na ponta da rabeta, mas o desenho triangular foi mantido. Já o escapamento curto e cromado foi substituído por um mais alongado e totalmente pintado em preto fosco. Por falar em pintura, o motor também mudou de cor e passa a ser cinza fosco, aposentando a cor negra que o cobriu nas últimas gerações da Ninja. A nova ZX-6R partilha também as mesmas combinações de cores que as outras duas superesportivas da marca (ZX-10R e Ninja 300) terão em 2013, as mesclas de preto com o tradicional verde limão e branco com preto.

Motor

Embora a grande sacada da Kawasaki para 2013 seja a mudança na motorização, não é a primeira vez que a ZX-6R conta com motor de quatro cilindros em linha de 636 cm3. Esta arquitetura já equipou a moto entre 2002 e 2006. Todavia, não se trata do mesmo propulsor. Os engenheiros trabalharam e aumentaram consideravelmente a potência e o torque máximos. Assim, no lugar dos 128 cv a 14.000 rpm do antigo motor, a nova Ninja 636 passa a entregar 137 cv a 13.500 rpm, ambas já com a interferência do sistema Ram Air (a indução direta de ar). Já o torque aumentou de 6,8 kgfm a 11.800 rpm para e 7,2 kgfm a 11.500 rpm.

Para segurar a potência extra, a nova máquina da Casa de Akashi conta com um novo freio dianteiro com disco duplo tipo margarida com diâmetro de 310 mm e pinça radial de quatro pistões que receberam, ainda, o auxílio do ABS.

Mais potente

Esse poderia muito bem ser o novo lema da Kawasaki em 2013, uma vez que a marca está centrando a sua estratégia de renovação do line-up em torno do aumento da capacidade cúbica de seus modelos com vocação mais esportiva. Desta forma, duas motos que assinam o nome Ninja já ganharam motores com maior capacidade cúbica e o mesmo deve se repetir em breve com, pelo menos, um modelo da lendária família Z. Segundo fotos que surgiram na imprensa europeia, a Z 750 também “cresceu” e deve ser apresentada oficialmente como Z 800 em breve.

Outra premissa da marca japonesa que está se confirmando é a definição dos modelos de maior cilindrada como referência para os outros da mesma classe. No caso, tanto a Ninja 300 como a ZX-6R ganharam elementos e até as cores para ficarem mais parecidas com a ZX-10R, enquanto a nova Z 800 deverá estar visualmente semelhante à Z 1000.

Divulgação/Infomoto