Fabricado na Coreia do Sul, país-sede da companhia, o Hyundai i30 chega às concessionárias com preços entre R$ 54 mil e R$ 72 mil.

O i30 foi concebido pelo departamento de “design” da Hyundai na Alemanha para ser um modelo global, ou seja, aceito em diferentes mercados sem passar por grandes alterações de um país a outro.

Como não é fácil agradar a todo mundo, os projetistas da Hyundai apostaram em times que estão ganhando no quesito estilo. Na dianteira o conjunto óptico é conservador, e a grade frontal ornada com um elemento cromado em forma de asa pode confundir o i30 com gerações anteriores dos Honda Civic e Fit. A lateral traz uma linha de cintura elevada, o que, devido à quantidade maior de lataria exposta, dá um toque másculo ao i30.

A área envidraçada é arrematada por vigias traseiras de formato inusual, que “fogem” da coluna C.

A traseira do i30 é claramente “inspirada” no BMW Série 1, mas as lanternas alongadas garantem alguma personalidade própria ao carro da marca sul-coreana.

Um vinco de expressão na parte inferior das portas lembra modelos BMW. Sustentando tudo isso, belas rodas de liga-leve de 17 polegadas, com acabamento cromado nos raios e calçadas por pneus de perfil baixo (225/45).

No habitáculo do i30, bom espaço para quatro pessoas e bom acabamento. A iluminação do painel e dos instrumentos (que são redondos) é predominantemente azul.

O volante é mais “gordinho” que o normal, o que dá um toque de esportividade. O motorista encontra facilmente sua melhor posição para dirigir, devido aos múltiplos ajustes (manuais) do banco e da coluna de direção.

O entre-eixos de 2,65 metros é generoso (o i30 mede 4,25 metros) e garante comodidade aos passageiros de trás.

O porta-malas do i30 tem capacidade para 340 litros de bagagem, ou 1.250 se os bancos traseiros tiverem os encostos rebaixados.

Por enquanto, o i30 está disponível nas revendas apenas num pacote intermediário de sua versão única, a GLS. Ele inclui ar-condicionado digital e teto solar, e itens de segurança como duplo “airbag” frontal e frenagem com ABS (antitravamento) e EBD (distribuição de força de acordo com o peso no eixo).

Levando sob o capô o motor 2.0 (a gasolina) de 16 válvulas e cabeçote de alumínio, gerador de 145 cavalos, com transmissão automática de quatro marchas, que move toda a gama i30 ele sai por R$ 69.900.

Obstáculo no caminho do “hatch” médio i30 é o fato de não ter motor bicombustível. De acordo com a Hyundai, a expectativa é vender ao menos 2.000 unidades do i30 por mês.