Ao lançar o subcompacto Mobi em meados de abril, a Fiat apostava que o apelo ‘popular’ do veículo, com preço inicial um pouco acima de R$ 30 mil, o visual inédito e o design mais moderno da cabine seriam suficientes para alcançar uma média mensal de vendas próxima a 9 mil unidades. Números que o colocariam na briga direta com o Hyundai HB20 pelo segundo posto no ranking dos carros mais emplacados no país.
E o primeiro mês cheio de vendas do modelo mostra que a expectativa da marca está longe de confirmar. Foram 2.407 exemplares licenciados em maio e o apenas o 17º lugar no ranking, considerando somente automóveis de passeio.

Para tentar reverter esse cenário e colocar o Mobi no caminho do sucesso que a Fiat esperava, chega ao mercado a versão aventureira Way, a mais cara da linha. O preço parte de R$ 39.300 e alcança R$ 43.800 na configuração Way On.

Mesmo com tabela mais salgada, a fabricante espera que a novidade represente cerca de 40% das vendas do Mobi, subindo gradualmente a média mensal do carro para 4 mil unidades nos próximos meses.

Um dos motivos para tal confiança da montadora é o fato de o consumidor brasileiro receber bem as versões com apelo aventureiro – vide o bom desempenho de vendas de Renault Sandero Stepway, VW CrossFox, Hyundai HB20X e os pratas da casa Uno Way e Strada Adventure.
O Mobi Way se diferencia das demais versões por trazer acréscimos visuais como rack no teto, molduras nas caixas de rodas, para-choques redesenhados e identificação na base da tampa traseira de vidro. Soma-se ainda a suspensão elevada em 15 milímetros, com molas e amortecedores específicos, e a dianteira com barra estabilizadora (compensa o aumento de inclinação lateral em curvas, devido a elevação da carroceria) e coxim hidráulico no motor. Desta forma, o modelo agrega boa capacidade de absorção das irregularidades em terrenos ásperos, como terra, asfalto ondulado e paralelepípedos. O curso da suspensão também foi elevado em 10 mm, deixando o conjunto mais macio para reduzir o solavanco mais forte em pisos esburacados.

Por dentro, os bancos ganham novo tecido e desenho, há vários porta-objetos espalhados, como porta-óculos, porta-copos, porta-garrafas e bolsa atrás dos bancos dianteiros. O modelo traz ainda abertura interna do porta-malas e da tampa de combustível, banco traseiro bipartido e o Cargo Box, uma caixa removível, com divisória ajustável, que facilita o transporte de objetos no dia-a-dia (fica localizado no porta-malas).

Ao contrário de outros ‘aventureiros’ da Fiat, que utilizam pneus de uso misto, o Mobi Way é calçado com pneus superverdes, que favorecem a baixa resistência de rolagem e melhoram os índices de consumo de combustível – as configurações Easy e Like também utilizam o mesmo composto. A razão, segundo a Fiat, é que no momento da troca de pneus, o proprietário tende a adquirir modelos normais, que são mais baratos que os de uso misto.

O motor é o mesmo 1.0 Fire de quatro cilindros, que rende 73/75 cv e 9,5/9,9 kgfm de torque (gasolina/etanol), associado ao câmbio manual de cinco velocidades. Voltado para uma aplicação urbana, como as demais versões da linha, o Way possui o mesmo espaço interno reduzido dos demais, dificultando a acomodação de adultos no banco traseiro. Caso o motorista seja alto, os joelhos de quem vai atrás fatalmente irão raspar no encosto do assento da frente. A capacidade do porta-malas é de 215 litros (a do Uno é de 290 l).

Em 2017, o veterano propulsor será substituído pelo novo três-cilindros que a Fiat está desenvolvendo e que estreia antes no Uno.

,Principais itens de série

Mobi Way: direção hidráulica, ar-condicionado, chave canivete, computador de bordo, volante com regulagem de altura e vidros e travas elétricas.

Opcional: sistema de som com comandos no volante, viva-voz, bluetooth e entradas USB e auxiliar. O sistema de conectividade que transforma os smartphones em multimídia – o Fiat Live On -, estará disponível no próximo mês. Ele será compatível para iOS e Android e será acionado via bluetooth.

Mobi Way On: rodas de liga aro 14” com desenho exclusivo, faróis de neblina, retrovisores externos elétricos (com função tilt-down) e repetidores de seta, sensor de estacionamento, console no teto, som com comandos no volante e painel com acabamento preto brilhante.
Não tem opcionais

Mopar: Há ainda a possibilidade de incrementar o carro com acessórios Mopar disponível na rede Fiat, como retrovisor interno com câmera de ré, central multimídia com navegador GPS e tela sensível ao toque, pedaleiras esportivas, pet bag, ecobag, par de bolsas expansíveis para o porta-malas e muitos outros, num total de 40 componentes.