Até pouco tempo o segmento station wagon era o preferido das famílias que buscavam interior e porta-malas generosos por um custo mais acessível. Os antigos vão lembrar do Ford Escort SW, do Volkswagen Quantum, do Fiat Marea Weekend e do Chevrolet Corsa Wagon. A chegada das minivans fez o mercado de “peruas” entrar em declínio e as opções ficarem cada vez mais escassas. Estava difícil achar um carro com espaço de sobra para pessoas e bagagens por menos de R$ 40 mil, uma vez que os monovolumes vieram com preço um pouco salgado para quem desejava economia.

Em 2007, a Renault lançou o Logan, um sedã compacto com espaço interno de médio e porta-malas de carro grande, e que respeitava o teto de R$ 40 mil. Resultado: o modelo virou sucesso de vendas. Outras marcas decidiram seguir a esteira do Logan. Em 2010, a chinesa Lifan começou a importar o 620. Em outubro do ano passado a Nissan trouxe o Versa e logo em seguida a Chevrolet contra-atacou com o Cobalt, em novembro.

Todos têm como atributo importante o entre-eixos igual ou superior a 2,60 metros, o que significa muita comodidade para os ocupantes, sem as pernas encostando no painel ou nos bancos dianteiros (para quem vai atrás) ou dividindo, sem aperto, o assento com as cadeirinhas de crianças.

Outro ponto interessante nestes carros é a capacidade dos porta-malas, todos aptos a levar muita bagagem. O bagageiro do 620 é o maior do segmento, com 650 litros. O do Cobalt também impressiona: 563 l. O do Logan oferece 510 l e o do Versa, 460 l.

Tabelado em R$ 38.980, o Lifan é o único deste grupo com motorização apenas a gasolina. Seu bloco 1.6 desenvolve 106 cavalos de potência. Tem 2,60 m de entre-eixos e 4,55 m de comprimento dimensões equivalentes as do Toyota Corolla. Como todo chinês, vem completo de fábrica. Direção hidráulica, freios ABS com EBD, airbag duplo, ar-condicionado, sensor de estacionamento e CD/Player com MP3 são alguns dos itens de série.

O Cobalt, por enquanto, carrega um propulsor 1.4 de 102 cv o bloco 1.8 deverá chegar no segundo semestre. Seu entre-eixos é de 2,62 m, com 4,47 m de comprimento. A versão mais em conta, a LS, sai por R$ 37.830, oferecendo direção hidráulica, ar-condicionado, travas elétricas e alarme. Se quiser mais itens de conforto e segurança, como vidros elétricos, ABS e airbag duplo, o consumidor desembolsará R$ 41.430 no acabamento LT e R$ 43.985 na LTZ.

O Versa tem entre-eixos de 2,60 m, mas o espaço de uma porta a outra é o menor entre os concorrentes 1,69 de largura contra 1,70 m, no mínimo, dos demais. Em outras palavras, o banco traseiro leva apenas três ocupantes de maneira confortável. Porém, sem incômodo para as pernas. Começa na versão 1.6 S (111 cv), por R$ 33.490, que oferece de série direção elétrica, airbag duplo, piloto automático e computador de bordo. Com ar-condicionado, o preço sobe para R$ 35.990. A configuração SV, que agrega ABS com EBD, CD/Player com MP3 e vidros elétricos, parte de R$ 38.490.

O Logan é o mais barato de todos começa em R$ 25.780 no motor 1.0 e o único a oferecer câmbio automático, um componente cada vez requisitado pelo mercado de sedãs. Esse tipo de transmissão está disponível na versão 1.6 Expression, de 112 cv, que custa R$ 38.390 e oferece ainda direção hidráulica, ar-condicionado, vidros elétricos e computador de bordo. O entre-eixos de 2,63 m é o mais longo da categoria.

Quando o porta-malas é o que mais interessa na hora da compra

Ainda no segmento dos sedãs compactos há opções para quem valoriza mais o espaço na hora de acomodar a bagagem do que a folga no interior da cabine. O comprimento do entre-eixos raramente passa dos 2,50 m, porém, a capacidade de carga no porta-malas supera facilmente os 400 litros. E nesse grupo quase todos os representantes possuem versões com preços menores do que R$ 30 mil.

O Fiesta é o mais em conta na motorização 1.0. Custa R$ 26.100 (preço sugerido), contra R$ 28.150 do Siena EL 1.0 e R$ 2,9.913 do Voyage 1.0. No entanto, entrega a menor potência 73 cv contra 75 cv do Fiat e 76 cv do Volkswagen e também o menor entre-eixos, 2,37 m, diante dos 2,46 m (Voyage) e 2,48 m (Fiesta) dos rivais. Dos três, o Siena tem o maior porta-malas, com 500 litros. No grupo, só perde para o Symbol, com 506 l e que custa R$ 37.310 na versão única 1.6, de 115 cv.

O bloco 1.4 l se destaca neste segmento. Dos sete modelos listados aqui, cinco oferecem o propulsor intermediário Prisma, Siena, 207 Passion, Grand Siena e J3 Turin. Este último é o mais potente, com 108 cv. Custa R$ 36.990 e carrega 490 l de bagagem. Já a motorização 1.6 está disponível no Voyage, Fiesta e Grand Siena, além do Symbol. No caso do representante da Fiat, somente a versão de entrada Attractive 1.4 está abaixo dos R$ 40 mil sai por R$ 36 mil. O acabamento seguinte, a Essence 1.6, já parte de R$ 40.420.

Essa briga ganhará mais um concorrente de peso este ano. Trata-se do Etios, primeiro Toyota compacto nacional. Com entre-eixos de 2,55 m e porta-malas de 595 litros, deverá atrair muitos consumidores que costumam viajar em família, por um preço próximo de R$ 33 mil na versão mais básica. Já o Chevrolet Classic não está nessa lista devido ao porta-malas mais reduzido, de 390 litros.

Divulgação
Nissan Versa.
Divulgação
Chevrolet Cobalt.
Divulgação
Lifan 620.
Divulgação
Voyage.
Divulgação
Renalt Logan.