No Salão do Automóvel de Detroit deste ano, nos Estados Unidos, a Audi apresentou o e-tron Detroit showcar, que é nada mais que uma variação do conceito e-tron apresentado no Salão de Frankfurt, na Alemanha, em setembro do ano passado.

Ao contrário do protótipo de primeira geração, que tem inspiração evidente no superesportivo R8, o e-tron de Detroit mostra uma configuração de carroceria inédita na linha Audi, mais compacta e curvilíneo que o primogênito. Comentou-se durante o evento norte-americano, que o “e-tron Detroit showcar” é esboço de um futuro “baby R8”, ou uma versão compacta do superesportivo.

Dois motores elétricos movimentam os dois eixos do conceito da Audi. Juntos eles produzem 204 cavalos de potência e torque de 270,2 kgfm. Este número assombroso de torque é normal em carros com propulsão elétrica, e no novo e-tron esta força pode ser distribuída para cada roda de acordo com a necessidade.

A montadora das quatro argolas diz que o conceito acelera de 0 (zero) a 100 km/h em 5,9 segundos e teve sua velocidade máxima limitada a 200 km/h. Para carregar as baterias de íons de lítio que equipam o carro e armazenam a energia que o movimenta, são necessárias 11 horas conectadas a uma tomada comum, mas pode levar duas horas em uma fonte de 400 Volts.

Um sistema de recuperação cinética de energia (KERS) abastece as baterias usando a energia desprendida em cada frenagem. Com as baterias cheias, a fábrica diz que o carro tem autonomia de 250 quilômetros. O e-tron pesa 1.350 quilos, mede 3,93 metros de comprimento, 1,78 m de largura e 1,22 m de altura.

O Audi e-tron tem toda dirigibilidade de um “go-kart” – ágil, bom em curvas e neutro até o limite de manejo. O carro conceito da Audi pode acelerar de 0 a 100 km / h (em 5,9 segundos, se necessário, e chegar de 60 a 120 km / h em 5,1 segundos. Este é agora o segundo veículo do conceito elétrico da marca dos quatro anéis.