A Extraordinária Corrida, em 1940 – Parte IV

Escassos e importantes segundos separaram o primeiro do segundo lugar na chegada, a Florianópolis/SC, dos carros e pilotos participantes do Grande Prêmio Bi-centenário de Porto Alegre, os quais disputaram a terceira etapa dessa fantástica corrida de 2.076 quilometros no dia 16 de novembro de 1940, trecho de 444 quilometros entre Curitiba e a capital catarinense, passando por São José dos Pinhais, Campo Largo da Roseira, Rio de Una, Tijucas do Sul, Campestre, Bateias de Cima, São Miguel, Pedreira, Joinville, Bananal, Jaraguá do Sul, Aurora, Blumenau, Gaspar, Ilhota, Itajaí, Camboriú, Tijucas e Biguassu.

Certo, entre os pilotos, era que tratava-se de etapa quase decisiva, pois, sendo a penúltima da maratona, quem a vencesse estaria em boas condições para a final. Pela ordem de chegada da etapa São Paulo/Curitiba, daqui largaram: Catharino Andreatta/RS – carro 42 – Mercury; Eitel Cantoni (Uruguai) – carro 44 – Ford; Clemente Rovere/SC – carro 16 – Ford; Julio Vieira/SP – 12 – Lincoln Zephyr; Iberê Correia/SC – 6 – Ford; Oscar Bins/RS – 2 – Ford; Luis Tavares de Morais/ RJ – 34 – Ford; Adalberto Morais/RS – 36 – Chevrolet; Ernesto Ranzolini/RS – 26 – Ford; Belmiro Terra/RS – 46 – Chevrolet; Ari Corteze/RJ – 20 – Ford; Raulino Miranda/SC – 37 – Chevrolet; Hector Supicci/Uruguai – carro 10 – Ford; e Antonio Peres – 4 – Mercury.

Desta feita, além do seu compatriota Eitel Cantoni, que fez o segundo lugar no trecho São Paulo/ Curitiba, o piloto campeão uruguaio Hector Supicci Seedes mostrou que era “bom de braço” mesmo e favorito ao triunfo final, recebendo a bandeirada de primeiro lugar em Florianópolis, com o tempo de 5 horas, 22 minutos, 1 segundo e 2 décimos.

Mas, o catarinense Clemente Rovere mostrou que era bom de volante também, chegando na cola de Hector, com o tempo de 5 horas, 22 minutos e 35 segundos! Numa corrida dessas, de longa duração, em condições adversas, alguns segundos de diferença pouco significavam.

Em terceiro lugar classificou-se o gaúcho Antonio Peres, carro 4 – Mercury, com 5 horas, 42 minutos e 2 segundos. Daqui para a frente era tudo ou nada para os pilotos e carros que restaram dos 23 que largaram no Rio de Janeiro dia 14 de novembro de 1940, pois, tratava-se da última e decisiva etapa.

Clemente Rovere – primeira, Catharino Andreatta – segunda e Hector Supicci – terceira etapa, já eram vencedores. Restavam ainda mais de 600 imprevisíveis quilometros. Quem receberia a bandeirada final em Porto alegre, no dia 17? As carreteiras aguentariam o esforço?

Seria um Ford ou um Chevrolet? Brasileiro ou uruguaio? Não Perca a grande final! Na foto de hoje, a carreteira do piloto gaúcho Ernesto Ranzolin levantando poeira no centro da cidade de Lages/SC, rumo a Porto Alegre.

Voltar ao topo