Continuando o relato da história do Grande Prêmio Bi-Centenário de Porto Alegre, que está completando 70 anos: às 7,00 horas do dia 14 de novembro de 1940, o presidente do Automóvel Clube do Brasil – Herbert Moses – deu a partida simbólica – em frente à sede da entidade, na Rua do Passeio/Rio de Janeiro – aos 23 carros participantes, que foram dirigidos até o Largo do Campinho, quilometro zero da estrada Rio/São Paulo.

Neste ponto, sob chuva torrencial, o presidente da Comissão Esportiva do ACB – Romeu de Miranda e Silva – deu a partida oficial, às 8,00 horas, para que os pilotos cumprissem a primeira etapa, de 493 quilometros: Largo do Campinho, Realengo, Bangu, Barra do Piraí, Pouso Seco, Bananal, Guaratinguetá, Taubaté, Jacareí, Mogi das Cruzes e São Paulo.

A cada dois minutos, largaram: Oscar Bins/RS – carro número 2 – Ford; Antonio Peres/RS – 4 -Mercury; Iberê Correia/SC – 6 – Ford; Norberto Jung/RS – 8 – Ford; Hector Suppici Seedes/Uruguai – 10 – Ford; Julio Vieira/SP – 12 – Lincoln Zephyr; Fernando Augusto Alves/RJ – 14 – BMW; Clemente Rovere/SC – 16 – Ford; Francisco Landi-SP – 18 – Ford; Salvador M. Pereira/SP – 20 – Willys; Quirino Landi/RJ – 22 – Ford; Milton Brandão/RJ – 24 – Ford; Ernesto Ranzolin/RS – 26 – Ford; José Lugeri/SP – 28 – Chevrolet; Ari Cortese/RJ – 30 – Ford; Santos Soeiro/SP – 32 – Ford; Luiz Tavares de Moraes/RJ – 34 – Ford; Adalberto Moraes/RS – 36 – Chevrolet; Raulino Miranda/SC – 33 – Chevrolet; Carlos Frias/RJ – 40 – Hudson; Catharino Andreatta/RS – 42 – Mercury; Etel Cantoni/Uruguai – 44 – Ford; e Belmiro Terra/RS – 46 – Chevrolet. Apenas 15 carros chegaram ao bairro da Penha em São Paulo. Já no quilometro 81 o Chevrolet de José Lugeri capotou.

Em seguida acidentou-se Norberto Jung e depois pararam Santos Soeiro, Carlos Frias, Fernando Augusto Alves, Quirino Landi e Milton Brandão.

A etapa foi vencida por Clemente Rovere em 6 horas, 16 minutos e 7 segundos, seguido por: Chico Landi – 6 horas, 24 minutos e 41 segundos e meio; Iberê Correia – 6 horas, 25 minutos e 46 segundos.

Depois vieram Catharino Andreatta, Julio Vieira, Ernesto Ranzolin (6h35´53´´), Adalberto Moraes, Antonio Peres, Raulino Miranda, Oscar Bins, Hector Suppici, Ari Cortese, Belmiro Terra, Salvador M. Pereira e Eitel Cantoni.

O recorde desse trecho havia sido estabelecido em 1937 pelo piloto argentino Arturo Kruse, com 6h8´. Nas fotos, a largada, no Rio, dos carros números 4 – Antonio Peres – e 8 – Norberto Jung. Não perca a sequência da história!