Antes do acidente que vitimou Ayrton Senna, em 1º de maio de 1994, a Ducati já trabalhava na produção da 916 Senna. O próprio Ayrton deu alguns pitacos para aprimorar o projeto. No final do ano, como uma homenagem, a fábrica de Borgo Panigale lançou a 916 Senna, limitada a apenas 300 unidades. A 916 Senna foi equipada com um motor de dois cilindros em “L”, 916 cm³, e alimentado por injeção eletrônica de combustível. O propulsor gerava 109 cv de potência máxima.