O critério para as seletivas do hipismo será mantido, apesar da discordância do campeão olímpico Rodrigo Pessoa, que, por conta disso, abriu mão de sua vaga para o Pan do Rio. O presidente da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH), Maurício Manfredi, confirmou hoje que três das cinco vagas na seleção pan-americana de saltos serão disputadas em duas seletivas realizadas no Brasil, de 18 a 22 de maio, na Sociedade Hípica Paulista, em São Paulo, e de 31 de maio a 3 de junho, no Complexo Esportivo Deodoro, Rio.

Juntamente com Bernardo Rezende Alves, Rodrigo Pessoa tem vaga garantida na equipe brasileira por estar entre os 20 melhores cavaleiros do ranking mundial. Mas ele acha que o critério de formar o time (mais dois titulares e um reserva) nas seletivas do Brasil não indicará o grupo mais forte – defende a utilização das provas na Europa como referência. Mesmo porque, o Pan será classificatório para a Olimpíada de Pequim, em 2008. E as principais equipes do continente, como Estados Unidos, México e Canadá, estarão no Rio.

Maurício Manfredi disse que ainda não falou com Rodrigo Pessoa, mas acha que "ele se precipitou". "Não vejo porque sepultaria a chance de ganhar uma medalha individual no Pan por discordar da formação da equipe, imaginando que ela será enfraquecida. Ele competiria por duas medalhas", disse o dirigente, que defende que os cavaleiros que estão na Europa venham brigar por vagas nas seletivas do Brasil.

Rodrigo Pessoa entende que os cavaleiros poderiam perder provas que contam pontos para o ranking da Copa do Mundo caso viessem ao Brasil disputar a seletiva. "Acho que só ele e o Bernardo, que já têm vagas na equipe, estão nessa briga por pontos", afirmou Maurício Manfredi.

Enquanto isso, o Comitê Olímpico Brasileiro não acredita na ausência de Rodrigo Pessoa no Pan. "Acho que vão conversar e encontrar uma solução. Falei com o Neco (Nelson Pessoa, pai de Rodrigo e técnico do Brasil) e com o presidente da CBH", disse Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB.