Apesar de não estar concluído o processo de ajuste, os diretores do Banco Central afirmam na ata do Copom, divulgada hoje, que os dados divulgados desde janeiro indicam que foi interrompido o processo de aceleração da inflação observado no último trimestre de 2004. Na avaliação dos membros do Copom, com isso foi reduzida a probabilidade dos riscos para a inflação virem a "se materializar". Esses riscos foram mencionados na ata da reunião de janeiro.

Segundo a ata, divulgada hoje, desde o início do processo de ajuste da taxa de juros foi verificada uma melhora nas projeções e expectativas de inflação, embora a inflação corrente e seus núcleos permaneçam em níveis ainda "incompatíveis" com as metas de médio prazo. Para os membros do Copom, com a postura monetária mais restritiva adotada desde setembro do ano passado, aumentará a probabilidade de que a desaceleração observada recentemente nos preços no atacado seja repassada para o consumidor.

"Além disso, vislumbra-se a possibilidade de que a sazonalidade positiva dos alimentos esteja se antecipando em relação a anos anteriores", diz o documento, que ressalta ainda que esses fatores podem contribuir para um primeiro semestre com taxas de inflação que proporcionam maior confiança no processo de convergência para a trajetória de metas durante 2005. "Esse aumento na probabilidade de convergência da inflação para a trajetória de metas se dá de acordo com a resposta esperada da atividade e da inflação aos estímulos de política monetária produzidos desde o segundo semestre do ano passado", afirma a ata.

Os diretores lembram no documento divulgado hoje que o Copom mencionou na ata de janeiro fatores específicos, entre as incertezas que normalmente cercam exercícios de projeção macroeconômica, que poderiam vir a prejudicar o processo de convergência da inflação para a trajetória de metas. Eles explicam na ata divulgada hoje que esses fatores se referem à intensidade dos mecanismos de "autopropagação" do ciclo econômico, ligados primordialmente à dinâmica da renda e do emprego e de um possível recrudescimento da resistência da inflação em cair em função das condições da demanda agregada da economia. Na ata da reunião de janeiro, não havia essa explicação.