O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central refez suas projeções de aumentos dos preços monitorados para este ano e concluiu que as tarifas públicas devem ser reajustadas em 7,8%, contra projeção anterior de 7%. Isto porque o reajuste anual inicialmente estimado para o gás de cozinha, de 3,5%, foi elevado para 10%, em razão do aumento do preço internacional do petróleo e das defasagens entre o preço cobrado na refinaria e o preço externo convertido em reais.

A explicação consta da ata da última reunião do Copom, na semana passada, e que mantém as projeções de 9,5% para o reajuste da gasolina, de 6,8% para as tarifas de energia residencial e de 6,6% nos aumentos da telefonia fixa. Os preços administrados têm peso de quase 30% na composição do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de parâmetro oficial. Seu peso na inflação de dezembro foi de 28,9%.

Apesar da mudança de estimativa para as tarifas públicas, o Copom concluiu que as projeções de inflação para o ano estão abaixo da meta de 5,5%, considerando-se o cenário de manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 16,5% e a taxa de câmbio próxima ao patamar de R$ 2,84 (preço do último dia 21). Quanto à política fiscal, o Copom considerou também o cumprimento da meta de superávit primário de 4,25% do Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com a ata do Copom, a aceleração de preços verificada nos últimos meses não decorre exclusivamente de fatores sazonais, porque atinge grande parte dos itens que compõem os índices, e que aumentaram de 57%, em novembro, para 64% em dezembro. Esta aceleração, diz o documento, “ratifica a percepção de maior disseminação das altas de preços”.

Mas o Copom também aposta num cenário de recuperação da atividade econômica, por conta do aumento da produção industrial ? 0,8% em novembro, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ?, como reflexo da maior absorção de bens de capital, entre julho e novembro, com elevação de 27%. No período, a produção de insumos para a construção civil também cresceu 5% em relação aos cinco meses anteriores.

No mercado externo, as perspectivas também são favoráveis, de acordo com a ata do Copom, porque “a alta liquidez nos mercados financeiros cria boas condições para o financiamento de economias emergentes”, além de a recuperação da demanda nos grandes mercados consumidores, como Estados Unidos e Japão, contribuir para as exportações brasileiras.

Para 2004, segundo a ata da reunião, as perspectivas são de “aceleração do crescimento econômico mundial, sem pressões inflacionárias”, e o fluxo de investimentos privados para os países emergentes tende a aumentar; a não ser que haja aumento dos juros nos EUA ou reversão na expectativa de crescimento das economias desenvolvidas.