A assistente Cleidy Mary Silva, de Santa Catarina, foi a única árbitra brasileira pré-selecionada para apitar na Copa do Mundo feminina, que será disputada de 10 a 30 de setembro, na China. A decisão final sairá depois de um encontro de uma semana em maio, na sede da Fifa, que reunirá as 19 árbitras e 32 assistentes pré-selecionada hoje pelo presidente da Comissão de Arbitragem de Fifa, o espanhol Angel Maria Villar.

O anúncio é uma ducha de água fria na arbitragem brasileira. Em 2003, nos Estados Unidos, o País enviou um trio completo à competição, com a árbitra Suely Tortura e as assistentes Cleidy Mary e Marlei Silva, de Minas Gerais. Cleidy Mary também atuou, sozinha, no Mundial de 1999 – as duas últimas edições foram nos Estados Unidos.

A Fifa anunciou um "intensivo programa de preparação" para as árbitras antes da Copa do Mundo, "a exemplo de seus colegas homens antes do Mundial de 2006". Além de testes físicos e técnicos, haverá provas escritas sobre as regras do futebol e exames de inglês para as candidatas a apitar na quinta edição da Copa do Mundo feminina – o Brasil teve sua melhor campanha em 1999, quando acabou em quarto lugar.