Daniel Garcia /AFP

O técnico Diego Armando Maradona está a um passo de tomar mais uma medida de alto risco. O argentino vai adotar uma linha defensiva com apenas três jogadores, respaldados por Jonas Gutiérrez, que joga nas 11.

Maradona guarda sob sete chaves a escalação da equipe que no sábado vai estrear na Copa do Mundo ao lado da Nigéria, no Ellis Park de Johannesburgo.

“Jonas tem mais estrada, está mais acostumado a jogar como volante, e sabemos que somos três defensores propriamente ditos”, declarou Gabriel Heinze (Olympique de Marselha) na coletiva de imprensa desta quarta-feira.

Ao lado Heinze na coletiva estava o volante Mario Bollati (Fiorentina), e nenhum deles deu alguma pista sobre quem entrará em campo no sábado. Fontes dão como certo, no entanto, que a Albiceleste vai jogar no esquema 3-4-3.

Heize jogará em companhia de Walter Samuel (Inter de Milão), como um líbero central, e Martín Demichelle (Bayern de Munique), na faixa direita, onde também estará Gutiérrez (Newcastle).

“Se tivemos mais espaço, vamos dar soltura a Gutiérrez. Sempre vai ser a Argentina que vai correr atrás do jogo”, afirmou Heinze, na verdade um zagueiro-central que se adaptou à posição de lateral-esquerdo.

Certamente esse esquema menos conservador visa à entrada de Carlos Tevez como terceiro atacante, como uma ponta-de-lança em companhia de Gonzalo Higuaín, com a estrela Lionel Messi logo atrás.

“Tenho plena confiança no jogo que a seleção fará neste Mundial”, declara Samuel, que voltou à Albiceleste pelas mãos de Maradona, à procura de gente com gás para grandes confrontos.

Maradona confundiu ainda mais a imprensa quando escalou apenas quatro jogadores pra treinar chutes ao gol com os três goleiros.

A Nigéria, adversária no jogo que começa às 8h30 de sábado, já passou por crises internas, mas hoje é uma seleção relativamente temível: “É uma equipe forte, que joga para frente, que tem um perfil, mas que pode mudar diante da gente”, alerta Heinze, que destaca o porte atlético dos africanos.