O programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) do Ministério do Meio Ambiente (MMA) vai contar com investimentos de US$ 80 milhões nos próximos anos. Esse dinheiro será usado na criação e conservação das áreas protegidas da amazônia brasileira. As áreas são criadas para preservar os recursos naturais da região amazônica, além de garantir o desenvolvimento sutentável com o uso racional dessas riquezas.

Já foram criadas unidades de conservação num total de 9 milhões de hectares, metade do previsto para a primeira fase do programa, que vai até 2007. Até 2013 serão protegidos 37 milhões de hectares da amazônia brasileira.

O programa Arpa é uma cooperação entre os governos federal, estaduais e municipais, o Fundo Brasileiro para Biodiversidade (Funbio), Fundo Mundial para a Natureza (WWF), o banco alemão KfW, e o Banco Mundial.

De acordo com o secretário de Biodiversidade e Florestas do MMA, João Paulo Copabianco, o Arpa é um projeto inédito. "É o maior investimento feito em parceria de governos, fundos internacionais, órgãos bilaterais e sociedade civil, que permitirá ao Brasil ter um conjunto de unidades de conservação bem administradas e com recursos permanentes para sua manutenção", explica.

O governo brasileiro assinou um contrato com o KfW (banco alemão de Crédito para a Reconstrução) para a liberação de Eur$ 17 milhões. O dinheiro doado será utilizado na aquisição de equipamentos, bens e serviços para as unidades de conservação.