Brasília ? "Só falta a noiva", brincou Tarcísio Godoy, secretário adjunto do Tesouro Nacional, referindo-se às empresas interessadas nas Parcerias Público-Privadas. Godoy deu entrevista coletiva após o Comitê Gestor das PPPs aprovar hoje (15) o Fundo Garantidor dos projetos.

O Comitê

formado por representantes do Tesouro Nacional, Casa Civil e Ministério do Planejamento ? aprovou o modelo do fundo. Segundo Godoy, esse era o último passo que faltava para que os primeiros projetos comecem a sair do papel.

As regras aprovadas pelo Comitê Gestor das PPPs estabelecem um fundo inicial, de até R$ 4,2 bilhões ? podendo chegar a R$ 6 bilhões ? , que será administrado pelo Banco do Brasil e funcionará como fiador da União nas parcerias com empresas privadas. Ou seja, se o governo não realizar algum investimento previsto em contrato nas PPPs, o Fundo irá cobrir o débito.