A Assembléia Legislativa aprovou nesta terça-feira (21) por unanimidade, em primeira discussão, o projeto de lei enviado pelo governador Roberto Requião que institui o plano de carreira para os funcionários técnico-administrativos das universidades e das faculdades estaduais. Com o plano, serão corrigidas distorções, inclusive salariais. Os aumentos variam de 8% a 83%, dependendo do cargo, função e nível salarial em que o servidor se encontra.

?Os funcionários das universidades não fazem apenas as atividades de manutenção e administrativas. A UEM (Universidade Estadual de Maringá), por exemplo, tem 100 funcionários que são mestres e outros 40 doutores. São funcionários diretamente envolvidos nas atividades fins da instituição: ensino, pesquisa e extensão. E esse pessoal não tem um plano de cargos, eles têm uma lista de atividades e o valor remuneratório no final?, disse o reitor da UEM, Gilberto Pavanelli, que acompanhou a votação nas galerias da Assembléia.

?É uma a justiça que o Governo do Estado faz em relação aos servidores e uma satisfação que a Assembléia dá a sociedade aprovando esse plano de cargos para o nosso pessoal?, completou.

A votação que lotou as galerias da Assembléia foi acompanhada ainda por servidores das universidades estaduais e por lideranças dos sindicatos que representam essa categoria.