A polícia britânica está sob pressão após o surgimento de novos detalhes da investigação da morte do brasileiro Jean Charles de Menezes, revelou hoje o jornal londrino Daily Mail. Jean foi morto dia 22 de julho pela polícia com oito tiros, numa estação de metrô de Londres.

O jornal destaca que as novas informações contradizem a explicação inicial da Scotland Yard, que afirma que o brasileiro foi morto após ter sido confundido com um terrorista.

A polícia alega ainda que não tinha alternativa a não ser matar Jean, uma vez que, segundo a própria Yard, "ele pulou a catraca da estação de Stockwell, não parou quando foi solicitado a fazê-lo, correu escadas abaixo e estava vestindo uma jaqueta de inverno pesada, o que foi considerado suspeito".

De acordo com a reportagem do Daily Mail, os novos detalhes da investigação sugerem que: Jean Charles de Menezes "usou um bilhete eletrônico para passar pela roleta de entrada do metrô, pelo menos inicialmente caminhou até a plataforma, não estava usando uma jaqueta de inverno e por último os policiais não teriam se identificado de maneira apropriada a ele antes de atirar."

O jornal britânico diz ainda que a maioria das câmeras de circuito interno de TV não estava funcionando no dia em que o brasileiro foi morto.

As imagens estavam sendo consideradas de importância vital para o esclarecimento da morte do eletricista.

Os primos do brasileiro que também vivem na Grã-Bretanha se recusaram a aceitar o pedido de desculpa da polícia.

Logo após o enterro do eletricista na cidade de Gonzaga, interior de Minas Gerais, representantes da Scotland Yard e do governo britânico visitaram os pais e o irmão de Jean Charles no Brasil para oferecer suas condolências.

Os detalhes da conversa foram mantidos em segredo, mas vários órgãos de imprensa afirmaram que a família do brasileiro deve receber uma indenização de algumas centenas de milhares de reais por parte da polícia de Londres.

Uma comissão independente da polícia está investigando as circunstâncias que levaram à morte de Jean Charles por policiais.

Segundo o Daily Mail, o oficial que disparou os tiros que mataram o brasileiro deve retornar ao trabalho na próxima semana após cumprir férias compulsórias.