O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, prometeu dar uma resposta amanhã a sindicalistas da CUT (Central Única dos Trabalhadores) sobre a possibilidade de correção na tabela do imposto de renda das pessoas físicas. Além dos sindicalistas, o presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), só aguardava o retorno de Palocci da viagem à Ásia para discutir com o ministro as mudanças na tabela do IR.

Dependendo da disponibilidade na agenda do ministro, o assunto poderá ser tratado com o deputado João Paulo e com os sindicalistas em um único encontro. A reunião com João Paulo só deverá ser confirmada no final da tarde.

Semana passada, o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, disse que o governo deverá apresentar uma proposta concreta para a correção da tabela, no encontro com a CUT. Segundo ele, a Receita Federal estava preparando os estudos a serem apresentados ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci.

Rachid, porém, concorda com Palocci que qualquer definição sobre a tabela do imposto de renda dificilmente será aplicada neste ano porque os orçamentos, tanto do governo federal, quanto dos estados e municípios, estão em curso.

Além da tabela, a Receita Federal tem demonstrado preocupação com o limite de isenção dos contribuintes, pessoas físicas. ?A isenção é muito elevada, e já está duas vezes a renda per capita ?, disse Rachid, após encontro com parlamentares na última quarta-feira com parlamentares da Comissão de Tributação e Finanças da Câmara dos Deputados.

Segundo ele, é importante levar em consideração que o limite de isenção não é só de R$ 1.058,00, pois existe, ainda, os 20% do desconto padrão, o que elevaria para R$ 1.300,00, o desconto padrão. ?Isso é muito elevado, principalmente, se comparado a outros países. Fora a isso, quem paga isso é uma minoria?, afirmou Rachid.