A Agência Nacional do Petróleo (ANP) realiza no dia 30, o segundo leilão de biodiesel. Serão leiloados 170 milhões de litros, fornecidos por 18 produtores. No primeiro leilão, em novembro, a Petrobras comprou 70 milhões de litros de 4 grupos. Até o fim do ano, a agência pretende vender mais 600 milhões de litros do combustível, que pode ser adicionado ao diesel derivado do petróleo formando uma mistura que recebeu o nome técnico de B2, por ter 2% de diesel feito a partir de oleaginosas.

O diretor-geral da ANP, Haroldo Lima, espera que o próximo leilão atraia outros compradores, além da estatal. "As distribuidoras precisam se preparar para quando o B2 for obrigatório, a partir de 2008", afirmou, lembrando que, a partir daquele ano, todo o diesel vendido no Brasil terá de ser misturado ao combustível renovável. Hoje, no entanto, o biodiesel tem preços maiores do que o diesel de petróleo, fato que tem afastado as empresas deste mercado.

Atualmente, além da BR, apenas a distribuidora mineira Ale vende o produto em grande escala, mas compra a preços mais baixos que os vigentes nos leilões, que só vendem biodiesel com selo social, conferido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário a produtores que adquirem oleaginosas de pequenos agricultores. Lima espera uma redução no preço do biodiesel no futuro, com o aumento da escala de produção e a inserção de novas tecnologias de produção.