O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil, Milton Zuanazzi, disse em entrevista coletiva que as buscas no local do acidente do Boeing da Gol, em Mato Grosso, foram retomadas hoje de manhã. Até o momento as caixas-pretas não foram encontradas e as perspectivas de sobreviventes são cada vez menores. "A gente, evidentemente, nunca perde a esperança, mas vai se tornando muito difícil encontrar um sobrevivente", admitiu.

Zuanazzi disse também que os tripulantes e os passageiros do jato Legacy 600, que colidiu com o Boeing da Gol, que depuseram durante toda a madrugada em Cuiabá (MT), já estão em São José dos Campos (SP) à disposição das equipes da Anac para prestarem os depoimentos necessários para o início do processo investigatório.

"Evidentemente as investigações mais importantes começam à medida que se ouvir também o que se encontra nas caixas-pretas do avião da Embraer, que não caiu. Os depoimentos (da tripulação e dos passageiros do Legacy) indicam que eles não viram nada, que simplesmente viram uma sombra e um barulho e que imediatamente trataram de aterrissar, e que encontraram a Base Aérea da Serra do Cachimbo e aterrissaram", afirmou.

Para o presidente da Anac, a possibilidade de que houve o choque entre os aviões é bastante grande. "Até o momento não se sabia se realmente tinha havido (o choque), mas a possibilidade é bastante grande". Zuanazzi disse que está confirmado que estavam a bordo do Legacy dois pilotos americanos, mais dois executivos da empresa, dois funcionários da Embraer, que acompanhavam o vôo e um jornalista do jornal New York Times que fazia uma matéria sobre a Embraer.