A American Air Lines aceitou pagar R$ 36 mil, valor determinado pelo procurador da República Matheus Baraldi, para liberar o comandante da empresa aérea, Dale Robbin Hersh, de 52 anos, detido no final da manhã pela Polícia Federal, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, por desacato à autoridade.

Segundo a Polícia Federal, no momento em que seria fotografado para identificação, o comandante do vôo 907 fez um gesto obsceno em frente à câmara e depois desacatou os policiais. Após ficar quase sete horas detido em uma sala da Delegacia da Polícia Federal, o comandante foi levado, seguro pelos braços por dois agentes, para o Tribunal Federal, em Guarulhos.

Por cautela, o procurador determinou a apreensão do passaporte do comandante Hersh até que o cheque seja trocado por dinheiro vivo. “O cheque ficou como uma espécie de caução, pois a empresa se comprometeu a entregar o dinheiro amanhã às 10 horas”, disse Baraldi. Ele esclareceu que fez essa proposta para evitar que o Ministério Público Federal denunciasse o comandante por crime de desacato.

Hersh foi liberado logo após a entrega do cheque, podendo passar à noite em algum hotel da cidade ou na casa de amigos. Hoje, assim que o cheque for trocado por dinheiro, ele poderá viajar para os Estados Unidos.

Desculpas

No fim da tarde, a American Airlines divulgou nota em que se desculpa pelo incidente. “A American Airlines lamenta qualquer mal-entendido que tenha ocorrido quando a tripulação do vôo AA907 dava entrada em São Paulo. A American e seus funcionários são sempre muito profissionais e corteses para todos com quem entram em contato. A companhia pede desculpas ao governo brasileiro, às autoridades portuárias, à Polícia Federal e a quaisquer outras pessoas que acreditem terem sido desrespeitadas. O comandante e demais tripulantes não queriam demonstrar falta de respeito. A American continuará a tratar do assunto.”