O líder do PMDB na Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), contou que presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, na reunião de hoje do Conselho Político, que o acordo fechado com os controladores de vôo "não existe mais". O acordo foi fechado nas negociações que entraram pela noite de sexta-feira e madrugada de Sábado e encerrou a greve com que os controladores de vôo paralisaram todos os aeroportos do País.

"Pressionado pelas circunstâncias, diante da situação de quase calamidade nos aeroportos, ele (lula) tomou a decisão (de fazer o acordo)", disse Alves. "Claramente, aquele acordo não tem mais. A questão vai ser resolvida sob o comando absoluto da Aeronáutica", acrescentou o líder, reproduzindo às informações apresentadas pelo presidente na reunião do Conselho Político, no Palácio do Planalto, da qual participaram os presidentes dos 11 partidos aliados, líderes e outros parlamentares.

Ainda de acordo com Alves, o presidente Lula explicou no encontro que, quando estava em Washington, a preocupação dele era com as famílias que estavam nos aeroportos, mas que, chegando ao Brasil, foi informado das implicações da quebra de hierarquia e decidiu dar prioridade às atribuições do comando militar.

"É fundamental preservar a ordem e a hierarquia na Aeronáutica", continuou Alves. O líder disse não ter idéia do que poderá acontecer se os controladores não aceitarem a subordinação à Aeronáutica. "Se os controladores decidirem ir para o confronto, será grave. Serão demitidos, e não há substitutos", observou. "Nesse caso, deverá ser feito algum plano", disse Alves, acrescentando que tudo vai depender das negociações iniciadas hoje pelo ministro Paulo Bernardo (Planejamento) com os controladores.