O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), garantiu que não vai ser o novo ministro do Planejamento. O nome de Mercadante foi cogitado por vários senadores como substituto de Guido Mantega, por causa da notícia de que será o substituto de Carlos Lessa no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES). "Tenho dito todas as vezes que tem mudança no Ministério que eu sou líder do governo, vou continuar líder, o presidente quer que seja assim, e eu me sinto muito bem nessa função. É aqui que eu estou contribuindo para o governo. Esse é o meu papel, e vocês vão me ver muito tempo aqui", garantiu.

Mercadante disse que o Ministério do Planejamento poderá ser ocupado por algum nome do PMDB ou outro partido da base aliada do governo. "O Planejamento de fato é muito estratégico, mas nós temos parceiros estratégicos. Nós temos quadros competentes no PT e fora do PT, nos aliados. Portanto, eu não vejo nenhuma dificuldade do partido abrir mão deste ou qualquer outro Ministério se o presidente Lula achar que este é o melhor caminho para o Brasil". Segundo o líder, o PMDB tem "quadros extremamente vividos" que podem comandar qualquer Ministério.

O líder adiantou que, além da saída de Carlos Lessa e Guido Mantega, novas substituições poderão ocorrer no primeiro escalão do governo. "O presidente fez algumas mudanças na equipe, e provavelmente fará novas mudanças. Cabe a ele anunciar quais são. Tenho certeza que ele está escalando a melhor seleção do país para poder fazer frente a tantos desafios e oportunidades que o país tem pela frente", disse.

A prioridade para o governo federal, de acordo com Mercadante, é consolidar as alianças firmadas com os partidos aliados. "Qualquer mudança vai nessa perspectiva de nós buscarmos consolidar as nossas alianças estratégicas e formarmos um governo de coalisão política", garantiu.