Brasília – Na busca por votos para o segundo turno da eleição presidencial, os candidatos investem num pacto federativo mais amigável. Nos últimos compromissos públicos de campanha que realizaram, Geraldo Alckmin (PSDB-PFL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT-PCdoB-PRB) prometeram, respectivamente, aumentar o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e facilitar o acesso dos prefeitos à burocracia estatal.

Ao participar de uma caminhada em João Pessoa na manhã desta sexta-feira (13), Alckmin comprometeu-se a trabalhar de maneira mais próxima com estados e municípios se for eleito, descentralizando o poder. O candidato ressaltou a importância de aumentar de 22,5% para 23,5% a fatia de arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) que compõe o FPM.

O aumento de 1% é uma reivindicação antiga dos municípios. Em agosto, entidades representativas explicaram à Agência Brasil que almejam uma revisão do pacto federativo, a fim de que os governos municipais recebam mais verba federal, já que vêm assumindo mais responsabilidades.

O candidato tucano também negou que possa acabar com o programa Bolsa Família e privatizar mais empresas estatais se for eleito.

"Vamos manter e aumentar este programa. Tem gente que precisa e não está recebendo o benefício", disse Alckmin. ?Quero também deixar claro que não vamos privatizar o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, os Correios e nem a Petrobras", assegurou, de acordo com sua assessoria de imprensa. "São instituições que devemos valorizar. Vamos valorizar também os funcionários, concursos públicos e carreiras".

Depois de João Pessoa, Alckmin seguiu para Maceió, para mais um ato de campanha. Lula não participou de evento público hoje. Ontem, fez comício em Valparaíso (GO), cidade carente no entorno do Distrito Federal.

O candidato do PT disse que, caso seja reeleito, vai facilitar o acesso de prefeitos ao governo federal por meio de escritórios da Caixa Econômica Federal em todas as capitais, ?para que não tenham que vir a Brasília pedir favor a ninguém?. Afirmou que governará prioritariamente para os pobres e não discriminará governadores de outros partidos.

Lula também prometeu saneamento básico para Valparaíso, onde obteve 55,61% dos votos válidos no primeiro turno ? no total do estado de Goiás, alcançou 40,17%, contra 51,50% do adversário. ?Cada real que a gente colocar no tratamento de esgoto e na melhoria da qualidade da água, a gente economia R$ 4 na saúde?.

Ele comprometeu-se a abrir uma extensão universitária no entorno do Distrito Federal ainda no atual mandato como presidente. ?Não é o povo que tem de andar atrás da universidade, é a universidade que tem de estar onde está o estudante. É um compromisso?.