O candidato da coligação PSDB-PFL à Presidência da República, Geraldo Alckmin, justificou o tom que adotou no debate do último domingo (8) com o adversário do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, sob o argumento de que externou a indignação do povo brasileiro. "Acho que externei o sentimento de indignação do povo brasileiro. Isso estava parado na garganta de todo o mundo. Fui um instrumento do povo", reiterou o tucano, em entrevista coletiva.

Ainda nas críticas ao petista, Alckmin afirmou que o adversário mente, ao dizer que seu programa inclui a privatização de algumas estatais. "Tem essa mentirada do Lula pelas costas, de dizer que eu vou privatizar a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, a Petrobras, os Correios e que vou acabar com o Bolsa Família e com a Zona Franca de Manaus. É tudo mentira.

O ex-governador paulista cobrou também a origem dos recursos que seriam utilizados na compra do suposto dossiê Vedoin. "Depois de duas horas de debate, o Lula não respondeu de onde veio o dinheiro. Ficou fugindo da explicação." E voltou a ironizar: "Não precisa torturar ninguém não (para saber). É só chamar seus amigos do PT.

Alckmin disse que o tom adotado no debate foi muito bem aceito pela população. "Eu estive na rua hoje cedo e quase não consegui andar", comentou. O candidato tucano afirmou que não estava com raiva, mas simplesmente indignado com a falta de explicações do presidente da República para o que vem ocorrendo no Brasil. "Não podemos achar que tudo isso é normal, não é.