Os agricultores familiares serão beneficiados durante o próximo ano com o repasse de R$ 5 milhões dos ministérios da Ciência e Tecnologia (MCT), Desenvolvimento Agrário (MDA) e Agricultura, por meio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), para apropriação de novas tecnologias agrícolas. Para isso, foi assinado nesta quarta-feira (22) o protocolo de intenções de repasse desses recursos para a Embrapa. A idéia é promover e apoiar o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar garantido a inclusão social desses trabalhadores.

Para o presidente da Embrapa, Clayton Campanhola, o valor do repasse é significativo e vai alavancar o processo de melhoria da agricultura familiar para garantir mais produção e qualidade dos produtos. "Essa é uma ação inédita e muito importante para possibilitar que os pequenos agricultores possam, rapidamente, incorporar tecnologias que foram geradas pela Embrapa." Segundo Campanhola, esse acordo permite uma ação coordenada das Organizações Estaduais de Pesquisa (Oepas), que são "parceiras partícipes da Embrapa neste empreendimento".

Segundo o secretário para Inclusão Social do MCT, Rodrigo Rollemberg, sua pasta tem interesse em difundir todas as tecnologias desenvolvidas pela Embrapa e que "são capazes de melhorar a qualidade de vida dos agricultores, promovendo a inclusão social no campo brasileiro". Na sua avaliação, a parceria com o MDA pode tornar "a agricultura familiar cada vez mais competitiva, agregadora de valor e compromissada com a geração de renda no campo brasileiro".

Para selecionar os 140 projetos apresentados, a Embrapa compôs, juntamente com o MCT, MDA e Conselho Estadual de Pesquisa Agropecuária (Consepa), um Comitê Técnico de Seleção e Acompanhamento dos projetos. Desse total, 73 projetos foram aprovados, sendo 33 da Embrapa e 40 das Oepas. O Nordeste foi a região que recebeu mais recursos: um repasse de R$ 1,2 milhão para 26 projetos.